Genocídio Científico
A política do morra-quem-morrer já causou quase 30 mil mortes só no estado de São Paulo. Para comemorar, governo declara que quase todas as cidades estão no estágio “Amarelo”.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Cemitério da Vila Formosa
Cemitério da Vila Formosa | Nelson Almeida/AFP

O governador de São Paulo João Doria (PSDB) empenha esforços para transmitir a imagem de que a pandemia no estado está sob controle. Entretanto, o fato é que a relativa estabilidade alcançada se deu em um patamar elevadíssimo. Graças a ausência quase total de medidas efetivas, o estado mais rico da federação completou 90 dias consecutivos com a média acima de 200 mortes diárias.

Desde o início da pandemia, o tratamento ofertado pelo governo tucano e pelo presidente ilegítimo Jair Bolsonaro foi muito aquém do mínimo necessário. Optaram por não testar a população de forma massiva e por não racionar as forças produtivas, de modo a garantir que o maior número de pessoas permanecesse em casa. No momento seguinte, passaram a forçar a reabertura da economia em resposta à pressão dos capitalistas. A diretriz da direita foi bem elucidada por Fernando Gomes, prefeito da cidade baiana de Itabuna, que no início de Julho havia decretado a reabertura do comércio, à base do “morra quem morrer”.

Valendo-se da chancela de governador “científico” conferida pela imprensa burguesa, Doria criou meios de mascarar seu “morra quem morrer” com números e tabelas. Um questionável sistema de cores foi criado para classificar cidades e regiões. E, desde a última semana, não há mais cidades na classificação “vermelha”. Isso implica dizer que, no momento mais grave da pandemia, não há cidades em estado gravíssimo.

Ancorado nessa manobra, Doria autorizou a reabertura de grande parte do comércio, incluindo bares, além de Fóruns e setores da administração pública. A reabertura de escolas públicas e privadas só não foi realizada por conta da intensa luta travada pelo setor. A testagem em massa e o auxílio à população da periferia (principal vítima da doença) são possibilidades cada vez mais distantes.

Sob a mesma perspectiva, até mesmo uma possível vacinação foi descartada pelo infectologista Marcos Boulos, do Comitê reponsável por lidar com a pandemia no Estado de São Paulo. Afirmando que o coronavírus “varreu e não voltou mais”, o médico usou a experiência de países com condições de infraestrutura sanitária muito superiores à nossa para setenciar: “não precisaremos de vacina”.

São Paulo alcançou a marca de 29.194 mortos. Isso tudo tomando por base apenas os números oficiais – sabidamente destorcidos pela subnotificação. Provavelmente, a quantidade real de mortes causadas pela negligência genocida dos governos de direita nunca seja calculada. Por isso, mais do que nunca, o Fora Bolsonaro e Fora Doria são as palavras de ordem que devem guiar os passos das forças progressistas e de toda a esquerda nacional que busca salvar vidas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas