Plano de saúde dos Correios já terá cobrança de mensalidades no mês de maio

ag. corr

A direção golpista da ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) anunciou através de seu boletim interno “Primeira Hora”, do dia 10 de abril, a primeira mensalidade do novo plano de saúde dos Correios.

O novo plano de saúde dos Correios terá o nome de plano de saúde II, e estará o trabalhador dos Correios e seus dependentes, exceto os pais e mães, que continuaram no plano antigo, que será extinto em agosto de 2019.

Como a direção golpista da ECT está objetivando a destruição desse benefício por completo, também anuncia no boletim que os trabalhadores que quiserem pedir a sua retirada do plano, poderá fazer a qualquer momento, utilizando dos mecanismos on line que a empresa disponibilizará para categoria.

A cobrança das mensalidades já tem, segundo os golpistas, um débito de 13 dias, desde quando o acordão do TST (Tribunal Superior do Trabalho) decidiu acabar com esse benefício.

Nunca é demais lembrar que os ministros biônicos e golpistas do TST só conseguiram decidir sobre o fim do plano de saúde atual da categoria devido a anuência das direções sindicais dos Correios, organizada no Bando dos Quatro (Sindicalistas do PT, PCdoB< PSTU e diretoria do Sintect-MG – LPS).

Esses sindicalistas no fechamento do acordo coletivo de 2017/2018 orientou aos trabalhadores abandonar a greve de 17 dias e aceitar um acordo que retirava o plano de saúde do acordo assinado, permitindo que os juízes tomassem decisão sobre seu futuro, depois do acordo assinado e da data base da categoria. Uma traição!

Os sindicalistas do Bando dos Quatro deram um cheque em branco ao TST, a fim de que eles preenchessem ao seu bel prazer, mesmo sabendo que os ministros tinham a mesma posição da direção da ECT, que era a de cobrar mensalidades dos trabalhadores no plano e entregar seu controle para ANS (Agência Nacional de Saúde), que regulam os planos privados.

Com esse ataque, o maior de todos os tempos, a direção da ECT conseguiu desobstruir um dos maiores empecilhos para o projeto dos golpistas de privatização dos Correios.