Governo Bolsonaro
Funai e Ministério da Justiça se juntam à política de Bolsonaro em não demarcar terras indígenas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
© 2011 Edison Bueno
Indígenas enfrentam a pandemia, o abandono do Estado e a invasão de latifundiários | © 2011 Edison Bueno

A luta indígena contra latifundiários é um problema secular dentro da conjuntura política. Há pouco mais de dois anos, desde a fraude eleitoral de 2018, que elegeu Jair Messias Bolsonaro (sem partido), o Governo Federal vem travando os processos de pedido de demarcação das terras indígenas. São 237 territórios com processos já requisitados, segundo o Instituto Sócioambiental (ISA).

É uma situação que se agrava ainda mais em meio a uma pandemia causada pelo novo coronavírus, pois além de estarem sob a ameaça de um governo que se declara contra as demarcações de áreas e protege latifundiários criminosos, deparam-se também com quase metade do orçamento da FUNAI (Fundação Nacional do Índio), voltados ao uso de combate contra a covid-19, congelado.

Algumas dessas áreas requisitadas ainda carecem de estudos primários para sua delimitação. Outras, até já tiveram seus estudos feitos, mas andam com seus processos parados no Ministério da Justiça. E as que já estavam autorizadas, foram impedidas de seguir. No total, 70% dos processos de demarcação estão paralisados entre a FUNAI e o Ministério da Justiça, no qual nenhum dos órgãos em questão dá qualquer explicação sobre o caso.

Em 2020, Bolsonaro afirmou que se dependesse dele, nenhuma homologação seria feita. Após ser pressionada por determinação judicial, a FUNAI chegou a criar cinco grupos técnicos para os estudos de campo, mas ainda assim, nada se resolveu. Muito pelo contrário, cerca de 30 terras indígenas foram devolvidas da Casa Civil e do Ministério da Justiça com base a um parecer dado pela AGU (Advocacia-Geral da União), no qual um novo “Marco Temporal”, apoiado por fazendeiros e ruralistas, propõe uma reiteração do texto Constitucional, no qual os povos indígenas só teriam o direito à demarcação que estivesse sob o contexto de posse registrado no dia 5 de outubro de 1988 – data da promulgação da Constituição.

“As propostas do governo Bolsonaro, e é só ver o que ele e os membros de seu governo falam sobre povos indígenas, não cabem na Constituição de 88. O que ele deseja fazer é não demarcar nenhuma terra indígena, uma promessa de campanha. Só que isso é inconstitucional para um presidente, que deveria não só demarcar novas terras como proteger as que já estão demarcadas. Mas ele não faz nenhuma e nem outra” – afirma em entrevista para a Globo, o ex-presidente da Funai, o antropólogo Márcio Meira (2007-2012).

Entre os principais riscos da falta da demarcação, estão os conflitos e disputas por terra e as invasões feitas por grileiros, fazendeiros, garimpeiros e ruralistas em geral. Está claro que o governo pretende lucrar com o sombreamento dessas terras com esses impedimentos. A falta de fiscalização já demonstra por si o desinteresse em proteger essas terras. É o governo dos golpistas de 2016 vendendo as terras brasileiras e matando seu povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas