Plano de Adequação de Quadros
Trabalhadores sofrem com o pão que o diabo amaçou
Banco-do-Brasil
Banco do Brasil |

O governo ilegítimo/reacionário, Bolsonaro, e seus prepostos à frente da direção do Banco do Brasil vem desenvolvendo na empresa um ataque só visto no famigerado governo do, também, neoliberal FHC (PSDB), quando colocou no olho da rua dezenas de milhares de trabalhadores através dos Planos de Demissão “Voluntária”, em que a direção do banco, naquela época, tacava o terror nos funcionários “elegíveis” para aderirem ao plano. Tal processo vinha na esteira da tentativa de privatizar o banco.

Hoje, com o golpe de estado, essas mesmas forças neoliberais voltam a atacar as empresas estatais, que estão sob uma séria ameaça de serem todas privatizadas. Para isso, os banqueiros e seus governos estão utilizando dos mesmos artifícios, de sucateamento, reestruturação, congelamento salarial, etc., para atingir os seus objetivos que é a privatização.

No Banco do Brasil a reestruturação que vem acontecendo, com o fechamento de centenas de agências e dependências, o banco criou um plano, o tal PAQ, que teve como um dos seus fundamentos mapear os funcionários que estão prestes a se aposentar ou já se encontram aposentados pelo INSS, mas continuam trabalhado, com isso aumentar, por parte do banco, as ameaças contra esses trabalhadores para que sejam demitidos futuramente através de qualquer outro plano de demissões.

Conforme este Diáriovem, sistematicamente, denunciando, os trabalhadores que se encontram nessa situação estão sofrendo o pão que o diabo amaçou com as pressões e terrorismo do banco. O último caso havia sido de um funcionário do setor de tecnologia do banco, em Brasília, que passou mal e foi hospitalizado depois de ter se manifestado a intenção em aderir ao PAQ, e, por perseguição não obteve êxito no seu pleito. Agora, recentemente, houve uma nova denúncia de um trabalhador que estava nas condições descritas acima, e, por se tratar de uma agência, na qual estava lotado, ter encerrado as suas atividades no processo de reestruturação, foi ameaçado, ou em pedir a sua aposentadoria, ou ser transferido, sumariamente, para uma agência do outro lado do país, sem as suas vantagens de comissionamento.

Todos os dias chove denuncias contra o banco de trabalhadores que sofreram, ou vem sofrendo, todo o tipo de pressão, por parte das chefias, referente à política da direção da empresa de enxugamento do quadro funcional, com a intensão clara de preparar a privatização do banco.

Há por parte do governo golpista uma ofensiva gigantesca contra as empresas estatais. Tanto o Banco do Brasil como a Caixa Econômica Federal, os maiores bancos públicos do país estão passando por um processo que visa a privatização de ambos.

É preciso organizar um amplo movimento de trabalhadores, dos bancos públicos, através das suas organizações, conjuntamente com os demais trabalhadores das diversas estatais, que passam pelos mesmos ataques, para por fora os golpistas e anular todas as suas medidas. Unir as categorias pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas, Eleições Gerais, Liberdade para Lula.

Relacionadas