Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Crise de saúde e repressão

Plano da burguesia: se o coronavírus não levar, a PM leva

Tanto a repressão quanto a pandemia devem ser enfrentados com a mobilização do povo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Os números de mortos pela pandemia do coronavírus já ultrapassam a marca dos 16 mil, oficialmente. Por outros estudos, é possível que esse número, na realidade, seja até 5 vezes maior. De qualquer maneira, mesmo considerando os fraudulentos dados do governo, a pandemia já é um desastre, especialmente para o povo pobre.

Desde o início da crise, não foi apenas o diário Causa Operária que vinha alertando que os efeitos da pandemia seriam registrados de maneira mais dura no meio do povo trabalhador, que é quem não conseguiu resistir sozinho à doença, quem teve que trabalhar durante todo esse período, enfim, quem não pode exercer a quarentena.

Por outro lado, o agravamento da crise não significou a redução da brutalidade policial. Em termos oficiais, o maior inimigo da vida do povo pobre e negro, no Brasil, continua sendo a Polícia Militar. Rio de Janeiro e São Paulo quebraram, em 2019, o recorde de execuções cometidas pelas forças de repressão. Foram ceifadas milhares de vidas, cerca de três mil, pelos dois estados, considerando, tal como os números do coronavírus, os “dados oficiais”.

A PM está aí há muito mais tempo que o coronavírus, nesse sentido, será difícil a doença conseguir bater os números totais de mortos pela Polícia Militar brasileira, tão letal quanto uma doença respiratória descontrolada.

Ela, a corporação, saiu um pouco dos noticiários logo do avanço da pandemia. Naturalmente, ela mesma viria a ter em suas fileiras algumas baixas. A atuação da PM, finalmente, consiste em bater nas pessoas indefesas, moradores de rua, etc. o que, invariavelmente, levaria à infecção de agentes da repressão. 

Ocorre que a crise de saúde fez o povo se revoltar. Ninguém está obrigado a sofrer calado, a aceitar todo o mal que a direita quer para o povo, a se resignar diante dos planos genocidas da burguesia golpista. 

É assim que começam a surgir os protestos, e é assim que volta à cena a ação brutal da PM brasileira, que, em seus métodos, comprova ser mais macabra e perigosa que a própria pandemia. 

No Complexo do Alemão, favela do Rio de Janeiro, laboratório da repressão, foram assassinadas 13 pessoas, na última sexta-feira (15), pelo Batalhão de Operações Especiais (BOPE). Não é preciso “investigar”, “apurar os fatos”. Essas 13 pessoas foram trucidadas pela PM, sem direito à resistência, e executadas pela pena de morte ambulante, a Polícia Militar. 

Na mesma sexta-feira, a PM de Santa Catarina matou um jovem de 16 anos, que nem teve tempo de contrair coronavírus. A imprensa diz “um adolescente morreu” na ação da PM. Morreu… como se fosse acometido de alguma parada cardíaca. A população protestou, legitimamente atirou pedras contra a PM, e é justamente o que deve ser feito a cada morte cometida por um policial.

O coronavírus matou muito mais gente que a PM neste ano, mas, no total, a PM ganha em larga vantagem. O povo pobre, agora, enfrenta a doença, a repressão e a crise social de conjunto. Tanto a repressão quanto a pandemia devem ser enfrentados com a mobilização do povo, por manifestações, atos, enfim, por todos os meios necessários.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.