Ditadura contra a esquerda
Eduardo Bolsonaro quer proibir o comunismo, e toda a simbologia da esquerda nacionalista na América Latina.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Brazilian Federal Deputy Eduardo Bolsonaro is seen after a meeting between Brazil's President Jair Bolsonaro and Paraguay's President Mario Abdo at the Itamaraty Palace in Brasilia, Brazil March 12, 2019. REUTERS/Ueslei Marcelino
Fascistas intensificam ditadura em toda América Latian. | Ueslei Marcelino/Reuters

No início deste mês de setembro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) apresentou um projeto de lei que visa criminalizar a “apologia” ao comunismo, comparando-o com o nazismo.

Com esta lei, qualquer referência a pessoas, organizações, datas, eventos seja no meio público ou não, torna-se proibido, assim como a utilização de bandeiras, símbolos e imagens. Destas, incluem a estrela vermelha (simbolo do PT), a foice e o martelo, e qualquer outra representação minima a figuras ou regimes considerados comunistas pelo governo. Caso a lei seja aprovada, quem for visto veiculando símbolos comunistas, poderá ter prisão de 9 a 15 anos.

Assim, é alterado a Lei de Segurança Nacional, e atribuiu também normas aos estabelecimentos de ensino, para “conscientizar os estudantes sobre os crimes cometidos por representantes dos regimes comunistas”, oficializando novamente, a propaganda anti-comunista nas escolas.

Eduardo Bolsonaro, declara que se inspirou na lei ucraniana, criada pelo governo fascista que derrubou, por um golpe de Estado, o então presidente eleito do país. Sara Winter já havia também dado declarações favoráveis ao regime ucraniano declarando que “Fui treinada na Ucrânia e digo: chegou a hora de ucranizar o Brasil”.

O mesmo pensa Olavo de Carvalho, inspirado na política anti-comunista de Ronald Reagan, ex-presidente dos EUA. Para o “filósofo” fascista nazismo e comunismo seriam a mesma coisa, considerando-os “ambas teorias abomináveis”.

A lei é um endurecimento da ditadura em todo país, e um acompanhamento da campanha golpista e fascista em todo continente latino americano. No texto, o filho de Bolsonaro cita os governos de Nícolas Maduro e Hugo Chavez – chavismo -, como “ditaduras comunistas”, além de atacar Evo Morales, indo em uma total ofensiva contra a esquerda de conjunto.

Caso seja aprovada, ela não apenas culminará na criminalização dos partidos e ativistas comunistas, na censura generalizada, como também, no ataque à toda esquerda, tendo em vista que ela inclui qualquer simbolo que remeta até mesmo ao nacionalismo latino-americano.

Tal política vem a serviço dos interesses do imperialismo que busca novamente implementar uma nova onda de ditaduras nos países atrasados, extinguindo a suposta “democracia” que era vigente no início do século, e que foi responsável pela ascensão de governos nacionalistas em todo globo, graças a mobilização popular.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas