Para manter o poder
Governo já acumula 20 pessoas assassinadas pelas forças de repressão, 1.132 feridos (38 por bala de fogo) e mais de 1.500 detidos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
protestos-no-chile-continuam-mesmo-com-troca-de-ministros-cidades-registram-confrontos
Policiais jogam água para dipersar manifestantes em Santiago. 28/10/2018: Esteban Felix/AP Photo |

Em sua maior crise até então, o governo de Sebastian Piñera segue reprimindo os protestos no Chile. Já são 20 pessoas assassinadas pelas forças de repressão (em contagem oficial, o que provavelmente está subestimado), 1.132 feridos (38 por bala de fogo) e mais de 1.500 detidos. Para conter a crise, Piñera demitiu todos os seus ministros e chamou todos os partidos a um acordo nacional para acabar com as mobilizações.

Nesta terça (29), relatório da Defensoria da Infância do Chile denunciou que até o último dia 26, policiais ou militares chilenos violaram o direito de mais de 283 crianças, através de prisões (240 crianças) e ferimentos ou maus tratos (a outras 43) durante os protestos no Chile. Crianças e adolescentes sob a tutela do Estado, moradores de rua ou em comunidades onde ocorreram as situações mais graves de exercício abusivo de violência criminal, policial e militar.

Manifestante é brutalmente reprimido em protesto em Santiago.

Explosão social mais grave no Chile desde os últimos 30 anos, desde o fim da ditadura de Pinochet (1973-1990), os protestos ocorrem principalmente na capital Santiago, além de Valparaíso e outras 11 regiões onde o governo decretou estado de emergência na última semana. Apesar das tentativas de Piñera em acalmar os ânimos, na última segunda novos protestos e repressão ocorreram.

Tal como Lênin Moreno, no Equador, Piñera está tentando entregar alguns anéis para manter os dedos. A demissão dos seus ministros e o chamado a todos os partidos é a expressão desta tentativa de se manter no poder para manter o regime política tal como está. Por isso Piñera precisa dos partidos de oposição, da esquerda, precisa reconstruir o centro política que se desmanchou com a polarização política expressa nos protestos.

Para evitar o que ocorreu no Equador, onde o governo conseguiu fazer o acordo e desmobilizar as grandes manifestações, o único caminha é intensificar a mobilização no Chile, rumo à derrubada do governo golpista de Piñera. A medida que a mobilização cresce, o governo tem dificuldade em reprimi-la, a tentativa de acordo é um recuo do governo, logo, um momento oportuno para a esquerda e os trabalhadores avançarem.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas