Pretexto para ditadura
Governo chileno vive uma crise bastante profunda há um ano
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
sebastian-pinera-2
Sebastián Piñera | Foto: Reprodução

Após intensos protestos que marcaram o território chileno nos últimos meses e que impulsionaram a forte crise no governo de Sebatian Piñera, está marcado para 25 de outubro o plebiscito constitucional do país, que decidirá na prática se os chilenos pretendem substituir ou não a Constituição de 1980, elaborada ainda durante a ditadura militar de Augosto Pinochet. O plebiscito é um dos eventos políticos mais importantes da América Latina nos últimos anos, e a pandemia do coronavírus está sendo utilizada para atacar o direito dos cidadãos chilenos de votarem sobre algo tão importante no país.

Isso porque o governo de Piñera pretende impedir que cidadãos infectados com a Covid-19 possam votar e chegarem aos lugares de votação, podendo até mesmo ser presos e pagando altíssimas multas por saírem de suas casas. A ação do governo de Piñera é ditatorial e não tem nada a ver com a pandemia. Primeiramente, a pandemia chegou ao país há meses, assim como em todos os países da América Latina, e em nenhum momento se foi pensando medidas alternativas de voto caso ocorresse uma votação nessas condições, onde o que se restou foi apenas a “solução” de impedir os infectados de votarem. A situação gera grandes problemas, pois no Chile as pessoas têm o direito irrestrito ao voto quando estiverem nos locais de votação, mesmo se estiverem infringindo outras regras, até mesmo se cometerem algum crime, o cidadão só é encaminhado à uma delegacia após exercer seu direito ao voto, ou seja, as pessoas só poderão ser abordadas e impedidas de votarem se estiverem a caminho do centro de votação. Esse tipo de medida abre margem para que qualquer pessoa seja abordada na rua e seja impedida de votar, afinal como será o controle daqueles que estão infectados? Outro fator que também abre margem para esse tipo de conduta é que a restrição de circulação não é exclusiva para os infectados, mas também para aqueles que estiveram em contato com o infectado, ou seja, dentro do processo eleitoral pessoas que talvez nem estejam contaminadas poderão ser impedidas de participar do plebiscito.

As medidas do governo de Piñera para a votação do plebiscito que pode mudar os rumos de várias políticas neoliberais do país é claramente uma forma de impedir os cidadãos chilenos de votarem e exercerem seu direito de manifestação contra a constituição vigente com o pretexto da pandemia. Não se foi pensada anteriormente nenhuma alternativa de voto para os infectados justamente para que se houvesse alguma forma de justificar a repressão a população e impedi-los de votarem. Segundo o governo, somente poucas horas antes da votação é que os Carabineros que trabalharão no plebiscito deverão saber quem são os infectados e onde se encontram, numa forma de controlar e impedir que os mesmos cheguem aos locais de votação, onde as informações são completamente confidenciais, o que poderá ser usado também contra outras pessoas numa forma de reprimi-las, e disso o governo Piñera entende muito bem, afinal foram vários os casos de agressões, mortes e mutilações durante os levantes da população contra o governo.

O caso chileno é mais uma demonstração de como a extrema direita tenta minar os direitos dos trabalhadores em todas as situações, e a pandemia está sendo amplamente utilizada para justificar os ataques a população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas