Um precedente muito perigoso
Investida da burguesia se deu no estado de Alagoas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
lula
Cartazes denunciam fraude eleitoral de 2018 | Foto: Diário Causa Operária

Na manhã da última quarta-feira (22), recebemos com bastante preocupação a notícia de que uma operação da Polícia Federal foi deflagrada contra pessoas que supostamente teriam instigado um “levante” contra o resultado das eleições de 2018. Foi cumprido apenas um mandato de busca e apreensão no estado de Alagoas, expedido pela Justiça Federal.

Até o fechamento dessa edição, na noite da quarta-feira, a notícia corria apenas na imprensa burguesa alagoana. O jornal Gazeta de Alagoas, pertencente às Organizações Globo, e vinculado ao senador Fernando Collor (MDB), foi o primeiro a fornecer informações sobre o ocorrido. Os detalhes, no entanto, são muito escassos.

As únicas informações divulgadas são as seguintes:

  • A expedição foi batizada com o nome de “Operação Levante”
  • A Polícia Federal está investigando a utilização de perfis no Facebook que incentivaram “eleitores” a se “rebelarem” contra o resultado das eleições presidenciais de 2018
  • Os perfis incentivavam paralisações e a adoção de processos violentos
  • As mensagens foram publicadas em perfis abertos e tiveram alcance nacional
  • Durante a busca, foram apreendidos equipamentos de informática, como computadores, notebooks e mídias digitais
  • O inquérito em questão apura crime contra a segurança nacional, previsto na Lei 7.170/73, e tramita na Superintendência Regional da Polícia Federal em Alagoas
  • As pessoas investigadas poderão responder pelos crimes de “fazer, em público, propaganda de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social” e de “incitação à subversão da ordem política e social”, previstos nos artigos 22 e 23 da Lei 7.170/73
  • Caso condenados, os investigados poderão pegar até quatro anos de prisão
  • A polícia se recusou a informar o conteúdo das mensagens
  • Não houve coletiva de imprensa para tratar do caso

A falta de detalhes já é algo que, em si, chama bastante a atenção, uma vez que não corresponde ao que foi feito em várias outras operações. Seja como for, é preciso denunciar o caráter perigosíssimo desse tipo de orientação.

Em primeiro lugar, esse caso não deixa de ser uma extensão da política reacionária e antidemocrática de estabelecer o “crime de opinião”. Isto é, de censurar o que as pessoas dizem nas redes sociais, liquidando de vez com a liberdade de expressão. Conforme explicamos em diversas oportunidades, não existe “meia” liberdade de expressão: a liberdade de expressão deve ser plena, ou será estrangulada pelos que detém o poder da censura.

Em segundo lugar, é preciso destacar a relação dessas investigações com as eleições de 2018, que foram uma das fraudes mais escancaradas da história recente. Não fica claro se o grupo contestava o resultado das eleições de fato ou se convocou uma “rebelião” para o caso de seu candidato fosse derrotado. Isto é, com as poucas informações divulgadas, não é possível determinar se os investigados queriam contestar a vitória eleitoral de Jair Bolsonaro ou se queriam constranger as instituições a garantir sua vitória. Contudo, isso não tem maior importância.

O fato é que a fraude eleitoral foi uma obra da direita golpista, que controla as instituições, contra o povo explorado e trabalhador. Portanto, o verdadeiro interesse em contestar as eleições é da esquerda. Ou seja, as investigações contra “levantes” anti-eleições são, inevitavelmente, investigações contra a esquerda. E são profundamente antidemocráticas.

Se quem determinou o rumo das eleições de 2018 foi o Poder Judiciário, que não sofre controle algum do povo, qual seria a maneira de o povo controlar as eleições? Absolutamente nenhuma. Rebelar-se contra uma eleição fraudada, comandada pelos piores inimigos do povo, é o que há de mais democrático.

Se, a partir de agora, as pessoas que se rebelarem contra as instituições estiveram vulneráveis a serem presas, há, portanto, uma verdadeira ditadura. Uma ditadura da burguesia, pois é essa classe que controla a Polícia Federal e que controla todas as instituições, justamente com o intuito de submeter os trabalhadores ao regime de mais duro ataque possível.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas