Governo aproveita crise
A situação escancara a necessidade da greve, pois é a única forma dos trabalhadores se defenderem e defenderem a soberania nacional
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro-castello-branco
Presidentes golpistas, Bolsonaro (Brasil) e Castello Branco (Petrobras): reprodução Revista Fórum |

Sob o controle dos golpistas do governo Bolsonaro, a direção da Petrobras, presidida pelo economista neoliberal, Roberto Castello Branco, anunciou que irá cortar o salário dos petroleiros em até 50%!

A medida se baseia na desculpa da empresa de que, devido à crise, é preciso roubar ainda mais os trabalhadores “para a preservação do nosso caixa”, como afirma comunicado oficial.

Com ela, a empresa cortará até 50% das remunerações dos petroleiros. Isso sem nenhuma negociação com os sindicatos ou qualquer consulta à categoria. Isso porque além da redução de turno com redução de salário, a Petrobrás vai alterar turnos e fará trabalhadores perderem gratificações adicionais de 60% nas refinarias e de 95% nas plataformas.

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) denunciou que “Nenhuma dessas medidas foi negociada com os sindicatos… Eles estão impondo”, alerta José Maria Rangel, coordenador geral da entidade.

Petrobras utiliza a paralisia dos sindicatos para aumentar a exploração dos trabalhadores

Num cenário de paralisia da CUT, a direção da Petrobras se aproveita da crise gerada pela pandemia da Covid-19 para retirar direitos e reduzir salários, intensificando o desmonte da principal estatal do país, na contramão do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) e da própria CLT.

O nível de cinismo da direção golpista da empresa é tão grande que ela chegou a pedir resiliência dos trabalhadores enquanto promove cortes de salários, demite e pune petroleiros. Por outro lado, obviamente, a gestão protege os gerentes, assistentes, consultores, coordenadores, assessores, supervisores e os cargos de chefia, cujas gratificações continuarão intactas. Serão apenas postergadas, entre 10% e 30%.

Cerca de 46 mil trabalhadores da Petrobras e 7 mil da Transpetro são afetados pelas medidas, o que deixa milhares de famílias vulneráveis num momento em que a crise do coronavírus avança a passos largos no Brasil. Mais que isso, as medidas, anunciadas nesta quarta (1º) acontecem menos de uma semana depois da empresa ter comunicado a suspensão do recolhimento do FGTS, dos pagamentos da gratificação de férias e das horas extras, do cancelamento do avanço de nível e promoção dos trabalhadores.

Normando Rodrigues, o assessor jurídico da FUP, explica que “a desimplantação dos trabalhadores de turno, sem indenização, fere o artigo 9° da Lei 5.811/72. A redução de jornada e remuneração do pessoal administrativo fere o artigo 468 da CLT”. “As medidas da Petrobrás também não têm amparo na MPV 927/20”, denuncia.

Os ataques somam-se às demissões e punições arbitrárias que a direção da empresa impôs aos petroleiros que participaram da greve de fevereiro, mostrando que o acordo com o Tribunal Superior do Trabalho (TST) não adiantou absolutamente nada.

Isso mostra o erro que foi a suspensão da greve ocorrida em fevereiro e que o recuo dos trabalhadores sempre é respondido com um avanço dos patrões, expresso pelo governo golpista em seu projeto de privatizar a empresa e entregar o setor do petróleo e gás para os estrangeiros.

O golpe da direção da empresa, que quer tirar proveito da crise para expropriar trabalhadores, deve ser respondido com a mobilização da categoria e com a greve.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas