À greve contra a privatização
Sindicato realiza ato demagógico e derrotista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
petrobrás
A política derrotista destes sindicatos levará os trabalhadores ao naufrágio | Richard Collinson

Ao mesmo tempo em que “negocia” as condições de privatização e demissões da unidade de Taquipe, na Bahia, responsável pela exploração do campo de petróleo e gás de Candeias, a direção do Sindipetro Bahia faz demagogia com manifestação.

Conforme noticiado no sítio eletrônico da Federação Única dos Petroleiros (FUP), na manhã de terça (22/12), a direção daquele sindicato e petroleiros da referida unidade realizaram uma “mobilização em repúdio” à privatização do campo de Candeias já realizada pelo governo pró-capital de Bolsonaro, em local que deduzimos ser as próprias dependências da unidade – já que o texto não especifica.

Veja-se: mobilização está correto, mas que ela seja uma demonstração vazia e quase “publicitária” de mero “repúdio” ao desmonte gradual em partes da Petrobras não pode ser aceito. O sindicato não pode simplesmente negociar as condições da derrota, ele precisa lutar pela vitória, fazer mobilização pela greve e para efetivamente impedir a venda do patrimônio público do país e que dá sustento àqueles trabalhadores. Há muitas coisas que podem ser feitas, inclusive o chamamento à participação de outras entidades sindicais e até de partidos políticos e da sociedade como um todo.

Como em outras categorias profissionais, vemos um sindicato que se dispõe a apenas fazer parecer que está defendendo a categoria, quando na verdade adota uma política derrotista e cujo único ganho é para que os dirigentes sejam vistos como “equilibrados e conciliadores”, quer dizer, não passa de uma defesa da burocracia sindical.

Segundo a nota que é do próprio sindicato baiano, “os diretores do Sindipetro garantiram que vão continuar lutando para impedir o desmonte total da Petrobras”. Demagogia, blábláblá e nada concreto. A direção afirma que vai procurar a 3R Petroleum, a empresa que adquiriu os 14 campos de petróleo e gás da Petrobras “para garantir as melhores condições, benefícios, salários, assim como a contratação desses trabalhadores que serão demitidos”, ou seja, não haverá luta contra as demissões nem a construção de uma greve e uma mobilização que denuncie a política pró-capitalista e privatista da direita, só a demonstração vazia do “repúdio”, que temos visto direita e esquerda cirandeira usarem de forma totalmente inútil contra os fascistas e suas ações. Em vez da greve, a pieguice derrotista.

Tentando justificar esta atitude tosca, a nota ressalta que os trabalhadores concursados (pois essa manifestação foi daqueles que não são concursados, chamados de “setor privado”) já tiveram “garantido” o direito a remanejamento entre unidades da Petrobras, ao invés da demissão, por acordo coletivo negociado pela FUP e sindicatos. No entanto, sabemos que os concursados têm garantia por lei ao emprego, o que transformaria a questão num imbróglio judicial e potencialmente político, e portanto devemos nos perguntar se as entidades sindicais não acabaram facilitando as coisas para os privatistas ao evitar essa situação de confronto.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas