Campanha salarial
A contra proposta da empresa soa como ridícula quando comparada aos recursos que serão desviados aos “colaboradores” dos golpistas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Distribuidoras de combustivel da Petrobras. Gasolina, caminhão tanque, caminhoneiros, paralizacao. Foto: Sérgio Lima/Poder 360
Petrobras | Sérgio Lima/Poder 360

A contraproposta para o Acordo Coletivo, apresentada pela direção golpista da Petrobras, em nome do seu presidente, Castello Branco, foi amplamente rejeitada pela categoria nacionalmente e, como resposta, nas assembleias, os petroleiros referendaram a proposta da Federação Única dos Petroleiros (FUP) de prorrogação do Acordo Coletivo por hora vigente.

A tal contraproposta soa como ridícula, quando comparada ao que a direção da empresa pretende dar aos trabalhadores, de destinar recursos à seus “colaboradores”, que pode chegar a mais de R$ 1 bilhão. Enquanto que os golpistas pretendem fazer a farra com o dinheiro, conquistado através de muito suor dos operários da Petrobras, por outro lado pretendem reajustar os salários dos trabalhadores em apenas 1%, índice esse que não cobre nem ao menos a inflação do período e, para piorar, propõem a retirada de direitos, redução de remuneração e ataque a benefícios, como a assistência médica.

Os petroleiros, da mesma forma que os demais trabalhadores das estatais, com o golpe de Estado, passaram a sofrer uma gigantesca ofensiva da direita golpistas com vistas à privatização através da política de sucateamento, demissão em massa, entrega das subsidiárias, aumento da terceirização, rebaixamento salarial, retirada de direitos, ataque às organizações dos trabalhadores, etc. e, nessa campanha salarial a principal questão, obviamente, deve estar centrada em torno à luta para impedir a entrega da Petrobras ao capital estrangeiro, ao imperialismo. Nesse momento da campanha, as assembleias devem ter em conta não somente a questão dos salários, que evidentemente é importante, mas a estratégia principal deve estar voltada para a mobilização em torno da criação de um amplo e forte movimento de luta que envolva toda a categoria em defesa desse que é o maior patrimônio do povo brasileiro.

A única forma eficaz de luta neste momento para impedir os ataques e a entrega da estatal ao capital estrangeiro, ao imperialismo é a intensificação das mobilizações e, evidentemente da greve. No entanto, a vitória dos trabalhadores somente poderá estar assegurada se houver a radicalização da luta e, neste sentido, se coloca como necessária a decretação da greve com a ocupação das plataformas e refinarias, com a tomada dos principais pontos da empresa pelos trabalhadores, como medida de força e resposta da categoria para impedir a privatização/entrega da estatal aos abutres estrangeiros, contra o arrocho salarial e o corte dos direitos dos trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas