Depoimento
O DCO coletou depoimentos de petroleiros sobre a greve da categoria, que completa 12 dias nesta quarta e atinge mais de 100 unidades, 13 estados e 50 plataformas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2020.02.11 Greve petroleiros
Ato dos petroleiros em greve: Divulgação FUP |

Nessa terça (11), o Diário Causa Operária (DCO), conversou com petroleiros em greve e coletou depoimentos sobre o andamento do movimento, que completa 12 dias nesta quarta, atinge 13 estados e mais de 100 unidades em greve, sendo 50 plataformas de petróleo.

O movimento se iniciou no Paraná, com a ocupação da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen) em Araucária pelos petroquímicos e adesão à greve dos petroleiros nas 4 unidades da Petrobras no estado (Fafen, SIX, REPAR, TEPAR).

Para o dirigente do Sindipetro PR-SC, Jordano Zanardi:

“A greve é contra é contra as demissões dos 400 trabalhadores efetivos e dos 600 terceirizados da Fafen-PR e os mais de 4 mil empregos indiretos gerados em Araucária pela presença das unidades do Sistema Petrobras. Pelo cumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2019-2020, que é contra as demissões em massa e vem sendo atropelado pela Petrobras. E em defesa da soberania, da energia, que não deve ser tratada como mercadoria a ser entregue ao capital estrangeiro.”

“REPAR e o TEPAR corte de rendição no dia 1º de fevereiro. Todas com a rendição cortada há 12 dias,” afirma Zanardi.”

Na tentativa de destruir a greve, a burguesia através do Tribunal Superior do Trabalho (TST) impôs uma série de medidas que mostram o caráter ditatorial do regime golpista no país. O tribunal determinou multas que ultrapassam os 5 milhões diários, bloqueio das contas da FUP e dos Sindicatos, retenção do repasse da mensalidade sindical por parte da Petrobras e que os petroleiros façam greve com 90% da categoria trabalhando.

Segundo Zanardi, só o Sindipetro PR-SC está tomando dívida de 250 mil reais por dia, pois a Justiça entendeu que a FUP não cumpriu a liminar de Ives Gandra. Para o petroleiro, a medida não é apenas estapafúrdia, como irreal, dado que “em períodos de férias, certamente há mais de 10% da categoria parada,” afirma o dirigente.

Quem são os fura-greves?

Somado a isso, a empresa passou a operar as unidades com “grupos de contingência” formados por fura-greves de dentro (coxinhas que não aderiram ao movimento) e de fora (terceirizados contratados). Zanardi denuncia:

“O grupo de contingência trabalha em desvio de função. É formado por pessoas, engenheiros e trabalhadores outros, que não tem conhecimento para operar essas unidades, oferecendo risco para os trabalhadores, para as instalações e para as comunidades do entorno.”

Fura-greve trabalhando em desvio de função. O Sindicato determina que os trabalhadores não entrem para trabalhar. Aquele que não adere a greve e trabalha em desvio de função, serviço para qual ele não é treinado. E as pessoas de fora que seriam de fora convocados para trabalharem.

A inclinação dos petroleiros em reagir à ofensiva da direita

Para Zanardi a conjuntura não é favorável, vide eleição do Bolsonaro e ataques sistemáticos da direita contra os trabalhadores e seus direitos. Portanto, apesar de alguns ministros que tentarem um esforço negocial, a grande massa deles é “pró patrão”.

“A eleição do Bolsonaro foi uma fraude, o ex-presidente Lula liderou todas as pesquisas do páreo. A lava Jato foi montada para prendê-lo e impedir que os partidos de centro-esquerda continuassem na liderança do nosso país.”

E continua:

“Neste momento estamos recebendo o apoio de inúmeras categorias através de notas e participações nos atos. A gente espera fomentar que outras categorias se somem à greve da categoria para defender às suas reivindicações específicas e as reivindicações de todas as categorias. Estamos abertos para receber o apoio de todas as categorias do país, bem como a disposição de apoiar as outras categorias. Não vamos correr da batalha neste momento. Se à conjuntura virar e os trabalhadores, os petroleiros vão cumprir seu papel neste processo.”

Perguntado pela redação do DCO sobre qual é, neste momento, a reivindicação geral que une os trabalhadores, Zanardi respondeu que a luta contra a reforma trabalhista e da previdência não unificou todos os trabalhadores, o que sinaliza que a base da unidade da classe trabalhadora não é trabalhista. Para ele, a unidade dos trabalhadores enquanto classe não se dará sobre uma base econômica, material. Segundo ele:

“A revogação de todas as medidas (reforma trabalhista e da previdência), sem a derrubada do governo Bolsonaro é impensável. A pauta que irá unificar as categorias não é a trabalhista. O principal problema do país hoje em dia é o desemprego. O Estado precisa retomar os investimentos, suspender os juros da dívida, taxar dividendos e grandes fortunas. É preciso retomar os investimentos públicos, para a retomada da indústria naval, para que os navios não sejam comprados na China, mas sim produzidos no país.”

Nesta quarta, ocorrem atos por todo o país para ampliar o alcance da greve dos petroleiros. O DCO segue na cobertura e se você é petroleiro ou tem informações sobre a greve, pode enviar para nossa redação. É preciso fortalecer o movimento, na defesa das reivindicações dos petroleiros e de todos os trabalhadores contra o governo golpista de Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas