Caminho da privatização
A medida mais recente e, até o momento a mais inusitada, é a venda, através de leilão, das plataformas P-VII, P-XII e P-XV
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
plataforma da petrobras - 24-03-2020
Plataforma | Foto: Reprodução

Para o governo ilegítimo/fascista Bolsonaro e seus prepostos a frente da direção da Petrobras não há limites para levar adiante a política de liquidação da empresa, com vista a sua privatização.

A medida mais recente e, até o momento a mai inusitada,  é a venda, através de leilão, das plataformas P-VII, P-XII e P-XV, ancoradas na Bacia de Campos, no estado do Rio de Janeiro, classificadas como “sucatas”. A informação foi divulgada na última segunda-feira (25) no Diário Oficial da União.

O governo, capacho dos países imperialistas, está se aproveitando do momento da pandemia do coronavírus para aumentar a ofensiva reacionária da entrega do patrimônio nacional.

Ainda no mês de maio, no seu começo, a direção da Petrobras havia anunciado a venda de quatro usinas termelétricas, três no polo de Camaçari (BA) e outra em Canoas (RS) e, agora, com a divulgação do leilão de três plataformas se somam, através da política de entrega dos seus ativos, à BR Distribuidora, TAG, Liquigás, refinarias, etc.

Estão vendendo a Petrobras em pedaços a preço de banana, para logo em seguida liquidar com a empresa.

É a mesma política privatista da famigerada era FHC (PSDB) de entrega, para os capitalistas, nacionais e internacionais, as partes boas das empresas e o governo (diga-se a população brasileira) arcou com a parte “podre”, ou seja, os prejuízos.

A única forma eficaz de luta neste momento para impedir os ataques e a entrega das estatais ao capital estrangeiro, ao imperialismo, é a intensificação das mobilizações é organizar uma greve geral das empresas estatais. A vitória dos trabalhadores somente poderá estar assegurada se houver uma radicalização da luta através das ocupações das empresas, como medida de força para impedir as privatizações das estatais e barrar a entrega do patrimônio do povo brasileiro pelo governo golpista, capacho dos banqueiros e capitalistas estrangeiros.

É preciso lutar para impedir esse processo de destruição nacional realizado pela direita golpista. É preciso juntar-se ao clamor popular que exige nas ruas o fim do governo. As organizações dos trabalhadores e suas lideranças devem levantar a palavra de ordem que toma conta das ruas: Fora Bolsonaro e todos os golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas