Pesquisadores redescobrem espécie de carnívoro gigante no Quênia

01-kenya-cat-simbakubwa-reconstruction
Washington, 18 abr (Prensa Latina) Cientistas estadunidenses redescobriram uma espécie de carnívoro gigante que chegou a superar em tamanho um urso polar, com um peso dentre 280 e mil 500 quilogramas, publica hoje a revista Journal of Vertebrate Paleontology.
Os fósseis do animal, correspondentes à mandíbula, partes do crânio e do esqueleto, foram desenterrados no Quênia há décadas quando vários pesquisadores percorreram a região a procura de evidências de macacos antigos.

As espécies colocaram-se em um local do Museu Nacional de Nairobi, no Quênia, e não lhes prestou atenção até agora que pesquisadores da estadounidense Universidade de Ohio os redescobriram e reconheceram sua importância.

Batizado como Simbakubwa kutokaafrika, esta espécie provavelmente estava na corrente alimentar na África, no entanto, não tinha estreita relação com os felinos grandes ou qualquer outro carnívoro de mamíferos com vida na atualidade.

A criatura pertencia a um grupo extinto de mamíferos chamados hyaenodontos.

Segundo Nancy Stevens, líder da investigação, os hyaenodontos foram os primeiros carnívoros dos mamíferos na África.

Depois de milhões de anos de isolamento quase total, os movimentos tectônicos das placas da Terra ligaram a África com os continentes do norte, o qual permitiu o intercâmbio floral e da fauna entre as massas da terra.

Não sabemos exatamente que levou à extinção dos hyaenodontos, mas os ecossistemas mudavam rapidamente à medida que o clima global se fazia mais seco. Os parentes gigantescos de Simbakubwa estavam entre os últimos hyaenodontes do planeta, comenta Stevens.

No seu julgamento, esta descoberta ajuda a ligar alguns dos pontos evolutivos do grupo de grandes carnívoros que se encontravam na corrente alimentar dos mesmos ecossistemas africanos, onde também evoluíram os símios e os macacos.