Pandemia do novo coronavírus
Os dados apresentados recentemente no Maranhão servem como um alerta sobre a real condição da pandemia em todo o país, principalmente devido à falta de testes massivos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
uujuj
Fiscalização durante o segundo dia de "lockdown" em São Luis-MA. | Foto: Bine Morais/Agencia São Luis/Fotos Públicas

A Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão divulgou um inquérito sorológico com dados alarmantes. Através de um grande número de testes realizados em parceria com a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e com o Laboratório Central do Maranhão (LACEN) foi estimado que 40% da população do estado já foi infectada pelo novo coronavírus.

Segundo o epidemiologista do departamento de Saúde Pública da UFMA e coordenador do estudo, Antônio Augusto Moura da Silva, um fator que explica a grande diferença no cálculo da subnotificação no estado é a precisão do teste realizado. Ao invés de realizar testes rápidos, a partir da coleta de sangue foi utilizado o método de eletroquimioluminescência para analisar a presença de anticorpos. Entre o final de julho e início de agosto foram coletadas 3.159 amostras de sangue em 69 municípios do estado.

Ao contrário do que os pesquisadores esperavam, a tal imunidade coletiva ou “imunidade de rebanho” não foi atingida com o índice de 20% de infectados. Um estudo publicado em julho havia sugerido essa possibilidade.

O que mais chama a atenção nesses dados é que muito provavelmente refletem a situação real do país inteiro, onde praticamente não se testa para a doença. Em geral, a única estratégia adotada pelos governadores foi o distanciamento social e agora, pela pressão política exercida em especial pelos bancos, essa estratégia está sendo abandonada em praticamente todos os países.

Como o PCO avisou ainda em março, um combate sério à pandemia envolve um conjunto de ações que demandam verbas e luta política, como a estatização de todo o sistema de saúde, dos laboratórios e da produção dos equipamentos de saúde. Ainda aumentar as verbas para a saúde, contratar todos os profissionais necessários e construir de abrigos para a população sem teto, por exemplo.

A testagem massiva da população já era uma estratégia eficaz e conhecida no começo da pandemia. Como colocamos meses atrás, os testes deveriam estar disponíveis em todos os serviços de saúde. Isso envolveria, além da estatização do sistema de saúde, o aumento das verbas.

Sem perder de vista que a crise sanitária veio em meio a uma grave crise econômica, colocamos também a necessidade de proibir os cortes de água e luz, assim como as demissões, assim como aumento dos valores do bolsa-família. Ao invés de instituir uma caça às bruxas, como está sendo feito com a distribuição de multas, seria preciso distribuir gratuitamente máscaras, luvas, álcool em gel e remédios.

As limitações do estado capitalista ficaram especialmente em evidência neste período. Segundo o discurso da burguesia (que acaba sendo repetido tanto por políticos direitistas quanto esquerdistas) o estado precisa funcionar como uma empresa, preocupado prioritariamente com o balanço das contas. No entanto, um estado verdadeiramente democrático deveria ter como preocupação fundamental o cuidado com a sua população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas