Pesquisa manipulada sobre Tabata Amaral foi financiada pelo seu patrão

jorge-paulo-lemann-tabata-amaral (1)

Nesta última semana, O Globo e o “Estadão” deixaram claro que a burguesia ainda espera muito de Tabata Amaral, e está movendo um enorme esforço para salvar a reputação da deputada após a reação devastadora gerada pelo seu voto em favor dos bancos, contra o povo, na reforma da Previdência.

Após a deputada demonstrar toda a sua “convicção” ativista em favor dos interesses da grande burguesia, o seu verdadeiro patrão, o empresário Jorge Paulo Lemann apressou-se em financiar uma pesquisa, cujo objetivo é tentar demonstrar que a traição de Tabata ao povo brasileiro teria produzido um efeito, no mínimo, inusitado: após votar contra o direito de aposentadoria da população, a pedetista teria dobrado sua popularidade.

Ao publicar esta estranha pesquisas, a imprensa golpista tentou convencer seus leitores de que o completo esfacelamento da imagem da deputada, revelado até mesmo pela enorme reação negativa ocorrida em diversas redes sociais, tratou-se de uma simples ilusão, um engano que agora teria sido desfeito “cientificamente” pelas pouco mais de duas mil entrevistas que o instituto de pesquisas “Idea Big Data” afirma ter realizado.

Os números do desconhecido instituto foram apresentados pela imprensa burguesa como uma amostram de um mundo real, além do que resolveram chamar de “bolha” ideológica. O Globo — em um golpismo sem qualquer vergonha — chega até a comemorar a pesquisa como a demonstração de uma verdadeira “vitória” da ativista da direita.

A maneira apressada e exuberante desta inglória campanha de salvamento de Tabata — cuja ligação com a palavra “traidora” pode quase ser vista como uma redundância — demonstra que os interesses da burguesia neste sorriso jovem e repleto de calculada simpatia vão muito além de encenações como a ocorrida nesta última votação.

Ao que parece, a burguesia tem muito interesse em não perder a Tabata Amaral “boa moça”, sem ideologias, alçada misteriosamente da periferia de São Paulo direto para Harvard.

Parece fundamental que Tabata não apareça ao povo com os caracteres que lhe definem como realmente é: um embuste a mais para enganar a população e tentar levar a esquerda na conversa. Situação bastante semelhante, inclusive, com a de seu padrinho político Ciro Gomes, reconhecido abutre da política nacional, especialista em se colocar como um político de uma esquerda, ou “progressista”, ainda que seja, na verdade, um burguês a mais, como outro qualquer.

Este tipo de esforço também sinaliza que a burguesia hoje tenta encaminhar o país para uma conciliação, buscando desmontar a profunda polarização que, no mundo real, se intensifica dia após dia, a cada novo ataque aos direitos da população.

Nesta manobra da burguesia, é tarefa crucial tentar disfarçar ao máximo os reais interesses em luta, e isto é feito normalmente por meio de uma desmoralização dos referenciais políticos de direita e esquerda, que são justamente os parâmetros que melhor demonstram o conflito fundamental da sociedade, entre explorados e exploradores.

Os bancos, por exemplo, querem mais e mais lucros. Em tempos de declínio acelerado do capitalismo, para os bancos ganharem mais dinheiro só existe uma saída: tirar dinheiro da população. A destruição da Previdência é um dos meios para isto, uma vez que a arrecadação continua seguindo as mesmas regras, mas a devolução dos valores arrecadados para o povo é gravemente restringida.

Colocando-se com clareza a situação, não resta dúvidas de quem é quem nesta luta. Por isso, quem é de esquerda naturalmente deveria estar ao lado do povo e contra os bancos. Quem é de direito, o inverso. Como não interessa para a burguesia esta clareza simples do jogo político, é importante para essa classe construir políticos direitistas com cara de esquerdistas.

Tabata Amaral, ao que tudo indica, foi moldada para encenar exatamente este papel.

Gerar confusão entre a esquerda, votar pelos interesses dos bancos como se houvesse nisso algum benefício ao povo, transmitir uma imagem de jovem ativista enquanto, na verdade, é muito bem paga pelos grandes capitalistas para promover todo tipo de ataque à população.

Uma jovem e simpática representante de toda uma “nova” forma de pensar e agir. Tão inovadora como a de qualquer coronel dos rincões mais atrasados do Brasil.

Como um novo Ciro Gomes, pronta para levar mais confusão para a já confusa esquerda brasileira.