Pesquisa fraudulenta: para a CNT, metade dos brasileiros não quer se aposentar

Previdência Social

Seria uma redundância dizer que um governo fruto de uma fraude se sustenta com base na manipulação, na mentira e na falsificação de resultados. Pois bem, é disso que se trata quando observamos os resultados da pesquisa apresentada pela CNT/MDA divulgada nessa terça-feira (26).

Segundo os dados apresentados, Bolsonaro é aprovado por 57,5% da população e rejeitado por 28,2%, enquanto os que não sabem ou não quiseram responder totalizam 14,3%. Não era de se esperar outro panorama. O regime golpista vem contando com o pérfido proselitismo da imprensa golpista desde a campanha eleitoral. Ora! Afinal, os esforços despendidos na derrubada da presidenta Dilma Rousseff – legitimamente eleita –, e o desgoverno de Michel Temer (MDB) colocaram o golpe em ordem de marcha e a todo vapor. Agora que o golpe se encontra em um nível mais avançado, os lacaios não abrirão mão facilmente e tentarão a todo o custo impor de forma arbitrária os interesses dos grandes grupos econômicos na tentativa de estancar a sangria do sistema capitalista. De fato, os golpistas tiveram que se contentar com o provérbio popular “se não tem tu, vai tu mesmo”, visto que Geraldo Alckmin – o preferido da burguesia, não subiu nem por reza braba. Cabe a Bolsonaro dar sequencia aos planos já iniciados por Michel Temer.

De acordo com a pesquisa, a população não quer se aposentar, visto que do total de entrevistados: 11% não quiseram responder, 45,6% rejeitam a proposta e 43,7 aprovam a matéria. É preciso uma boa dose de abstração alucinógena para dar créditos a uma pesquisa que contraria totalmente o que temos observado até então. As manifestações já experimentadas pelo golpista Michel Temer continuam a fervilhar. Agora o bastão do golpe foi revezado e quem assume a cruzada contra a população é o capitão boçal. Com efeito, a intensificação dos ataques da extrema-direita pode por o País em chamas. Basta pegar as diversas manifestações e greves que estão aumentando em ritmo acelerado em todo o território nacional contra a reforma da previdência, como o caso dos servidores públicos municipais de São Paulo. Ademais, vale ressaltar a decisão das principais centrais sindicais em assembleia realizada na quarta-feira passada (20) de levar milhares de trabalhadores a se manifestarem nas ruas nos dias 8 de março e 1º de maio.

Diante de toda a trapaça orquestrada pelo regime golpista que, claramente, conta com o apoio da imprensa burguesa, é necessário que se faça a denúncia e se esclareça a todos os trabalhadores, sobretudo os menos esclarecidos, que este governo é uma declaração de guerra e está disposto a ir às ultimas consequências para garantir o faturamento dos grandes grupos capitalistas e dos bancos; sendo estes, os maiores saqueadores do trabalho alheio e os que tirarão o maior proveito da reforma da Previdência através da capitalização.