Coronavírus no Equador
Número oficial de mortos no país chega a 272. Falta tudo no país, inclusive leitos hospitalares. Os mortos continuam sendo deixados nas ruas e armazenados em caminhões
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Lenin Moreno
Lenin Moreno, golpista equatoriano. Foto: AP Photo/Dolores Ochoa |

O Equador do golpista Lenín Moreno vive uma crise funerária gigantesca, em que o Estado não dá conta de buscar os corpos de pessoas mortas em suas casas, permite que cadáveres fiquem pelas ruas (ou os mantém armazenados em caminhões) e não oferece à população o básico para sobreviver em meio à pandemia do coronavírus.

Se tudo isso já não bastasse, o país já está com praticamente todos seus leitos hospitalares lotados, fazendo com que o pesadelo que vive a população do Equador se torne ainda maior. Com a falta de leitos hospitalares, só é possível colocar uma pessoa em uma cama para receber o tratamento adequado, com respiradores, por exemplo, quando outro paciente morre.

O país também sofre com baixas médicas. Ao menos 40 médicos e inúmeros enfermeiros morreram desde que a pandemia começou. O número total de equatorianos mortos por conta da doença é de 272, no entanto, assim como no Brasil, o número tende a ser bem maior por conta da política de esconder os dados reais da população.

Tudo isso graças à política neoliberal que vem sendo levada no país após o golpe de estado de Lenín Moreno. O país teve sua política alinhada com a burguesia imperialista, em especial a dos Estados Unidos, fazendo com que a população local sofra para que essa burguesia lucre com isso.

O país não vem tomando as medidas necessárias para conter a crise, apostando somente em uma quarentena imposta na base da repressão policial, impedindo a população de se despedir de seus entes queridos e outras posições superficiais que não dão conta do problema. Seria necessário, por exemplo, investir muito mais em leitos hospitalares emergenciais, coisa que não será feita, a não ser com pouquíssimos novos leitos, pois a prioridade do país é o de salvar as grandes empresas e seus capitalistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas