Mobilização
Golpe de Estado promovido pelos fujimoristas abriu uma enorme crise no país
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
peru
Manifestação no Peru | Foto: EPA

Embora muito pouco debatida pela imprensa burguesa e pela esquerda brasileira, a situação política no Peru está explodindo. Isso porque o país está em uma crise política bastante profunda, que já levou à queda de três chefes de Estado, o suicídio de um ex-presidente, o fechamento do Congresso e manifestações de rua. O mais recente grande acontecimento foi a derrubada do então presidente Martín Vizcarra pelo parlamento peruano, que se deu no dia 9 de novembro.

Os conflitos entre Vizcarra e o Congresso já vinham se dando havia bastante tempo, a ponto de Vizcarra determinar o fechamento da Casa. Vizcarra foi derrubado por um golpe comandado pela extrema-direita do regime. Isto é, pelos fujimoristas.

Com a queda de Vizcarra, subiu ao poder o então líder do Congresso, Manuel Merino, que é uma liderança fujimorista. No entanto, os peruanos reagiram rapidamente ao golpe de extrema-direita e, nas ruas, derrubaram Merino, que acabou renunciando. A crise, então, se tornou ainda mais intensa.

Mesmo a mobilização tendo sucesso em derrubar o presidente fujimorista, a burguesia procura controlar a situação, sem ter de dar um passo atrás. Até o momento, não há uma decisão do regime político de reverter o processo que derrubou Vizcarra — processo esse ilegítimo e que está sendo denunciado pelos manifestantes como uma aberração antidemocrática. Afinal, se houvesse tal reversão, o regime ficaria ainda mais desmoralizado.

Na segunda-feira (16), os peruanos voltaram às ruas para lutar contra o golpe em curso contra seu presidente, dando lugar a grandes manifestações. Ao mesmo tempo, o Congresso peruano tomava a decisão de quem seria o novo presidente do país. Contrariando às manifestações, o Congresso escolheu Francisco Rafael Sagasti, do Partido Morado, como o novo presidente. Os manifestantes exigiram que apenas os congressistas que votaram contra a derrubada de Vizcarra escolhessem o presidente, mas isso foi totalmente ignorado pelos parlamentares. Sagasti governará o país até julho de 2021. Dois meses antes, em maio, haverá eleições presidenciais.

A escolha do novo presidente apenas comprova que a crise no Peru está muito longe de ser resolvida. E, por isso, é de se esperar que a mobilização apenas se intensifique. As manifestações contra o regime, que é extremamente repressivo, vêm se desenvolvendo há anos e estão mostrando um potencial de pôr abaixo a ditadura da direita. No entanto, é preciso ter em mente, ao mesmo tempo, que a extrema-direita está avançando a passos largos no regime e que contará com o apoio da burguesia para conter a mobilização popular.

Nesse sentido, é preciso intensificar a mobilização contra a direita, que, assim como nos demais países latino-americanos, procura trucidar o nacionalismo burguês para impor a política neoliberal. A mobilização deve continuar, portanto, para derrubar o regime golpista de conjunto.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas