Mobilização popular
População peruana dá o exemplo para toda a esquerda: é preciso ir às ruas e derrotar o imperialismo e sua política de golpes!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
reuters-protesto-peru-1500-10112020110611100
A instabilidade política no regime peruano resulta em grandes manifestações | Foto: Reprodução

Nas últimas semanas, a histórica instabilidade política peruana mostrou sua cara mais uma vez. Seguindo a tendência de golpes consecutivos orquestrados pelo imperialismo, visando o fortalecimento da política neoliberal que assola o país desde a ditadura fujimorista da década de 90, mais um presidente, Martín Vizcarra, foi deposto após votação no Congresso. O agora ex-presidente, acusado, de forma notavelmente escancarada, de “incapacidade moral permanente”, foi sucedido por Manuel Merino, representante da ala fujimorista da direita peruana.

À luz desta clara incerteza dentro do cenário político peruano e, acima disso, óbvia tendência à direitização do regime, a população foi às ruas para lutar contra o empossamento de Merino. Uma onda de protestos verdadeiramente combativos, os quais contaram, até mesmo, com a morte de 4 pessoas e o desaparecimento de mais de 40; varreu o País e transformou o território peruano num campo de guerra. As manifestações foram tamanhas que, invariavelmente, Merino caiu, abrindo espaço para a posse de Francisco Sagasti, ex-funcionário do Banco Mundial, mais um carrasco do imperialismo e representante do “centrão” do Peru.

Entretanto, o mero troca-troca de presidentes não irá silenciar as massas que, a essa altura, já demonstram extremo descontentamento com a situação. Finalmente, o regime político-econômico peruano está longe de se estabilizar. Afinal de contas, o neoliberalismo assola os trabalhadores e suas organizações há muito tempo e, nesse sentido, sucateou completamente todo e qualquer tipo de direito fundamental do povo peruano.

Na última quarta-feira (25), a população peruana mostrou, mais uma vez, que simplesmente não irá sustentar os regimes golpistas em suas costas. Seguindo a forte tendência à mobilização, o Sindicato Unitário dos Trabalhadores da Educação do Peru (Sutep), continuou a realizar protesto em Lima e em demais cidades do país. Nas cidades de Puno e Tacna também se uniram aos professores companheiros do Sindicato de Trabalhadores Administrativos do Setor da Educação, assim como companheiros do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil. Os protestantes reivindicam, principalmente, o direcionamento de 6% do PIB do país para a educação pública. Todavia, demonstrando um caráter combativo, também se fala em uma nova Constituinte como aspecto essencial para a solução da crise no País. 

Ou seja, a situação peruana se aproxima cada vez mais ao cenário que víamos no Chile nos últimos tempos. Por mais que a esquerda nacional tenha sido obliterada a partir da perseguição da ditadura de Fujimori ao Sendero Luminoso, a situação chegou a tal ponto que a população simplesmente não aguenta mais a absurda instabilidade do regime político. A experiência peruana deixa claro que a única alternativa para os trabalhadores é a própria mobilização. Afinal, conseguiram derrubar a extrema-direita e, agora, se aproximam de uma convulsão de caráter verdadeiramente revolucionário, capaz de alterar profundamente as relações de forças que hoje atuam dentro da sociedade peruana.

Finalmente, é preciso intensificar a mobilização popular e, acima disso, radicalizar cada vez mais o movimento que hoje atua dentro do Peru. Uma nova Constituição deve de fato ser feita, não a la peruana, mas sim pela organização dos trabalhadores que, invariavelmente, defende os seus próprios interesses.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas