Trabalhadores criminalizados
Após a morte de dois policiais militares em Porto Velho-RO, a extrema direita e os grandes latifundiários utilizam do acontecimento para perseguir movimentos sociais pela terra.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
LCP
Camponeses estão sendo perseguidos em área de disputa de terra em Rondônia. | Foto: Reprodução.

Os ataques da extrema direita contra movimentos sociais e contra a luta das populações oprimidas estão ocorrendo de diversas formas, principalmente após a chegada de Bolsonaro ao poder, de forma fraudulenta. Um dos setores mais atingidos com essa política de criminalização e ataque são os movimentos pela terra, que vão diretamente contra os interesses de latifundiários e outros sangue sugas do território brasileiro. Além das declarações claras do próprio presidente golpista contra esses movimentos e das políticas colocadas em prática pelo ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, a extrema direita utiliza também dos seus capachos e agentes repressivos para continuar com essa perseguição, onde o caso mais recente está ocorrendo em Rondônia, com os camponeses da LCP (Liga dos Camponeses Pobres).

Os ataques começaram após a morte de um tenente e um sargento da Polícia Militar no distrito de Mutum- Paraná, na cidade de Porto Velho –RO no dia 03 de outubro. Após o ocorrido, os camponeses da LCP estão sendo acusados de terem cometido os crimes e com isso a perseguição está ainda mais intensa. No último dia 10, a polícia deflagrou uma operação denominada Operação Ordo, onde 17 mandados de prisão e oito de busca e apreensão foram efetuados, todos contra membros da LCP.  Vale lembrar que a região, assim como várias outras dentro do país, principalmente na região Norte, são alvos freqüentes de disputas de terras entre grandes fazendeiros, latifundiários, madeireiros e os movimentos sociais pela terra como a LCP. Os conflitos acontecem pela disputa de interesses não somente entre os lados opostos, mas também entre os grandes exploradores, que utilizam dos aparatos do Estado para legitimar e intimidar aqueles que ameaçam seus interesses.

O ato de incriminar e colocar os camponeses como “perigosos” e uma ameaça a sociedade serve duplamente aos interesses burgueses: primeiro que dessa forma é mais fácil conseguir uma apelação popular para que esses movimentos sejam criminalizados, colocando-os assim dentro da cadeia e eliminando totalmente a luta pela terra da região, deixando o caminho livre para os verdadeiros exploradores e criminosos, e também escondem outros conflitos que acontecem até mesmo entre os próprios latifundiários, além das ameaças constantes que os camponeses precisam lidar com a presença de jagunços e até mesmo agentes do Estado para reprimi-los. O episódio ocorrido com os policiais serviu apenas de pretexto para que uma campanha de perseguição e uma tentativa de aniquilação do movimento da LCP na região fossem feitas, onde camponeses estão sendo presos politicamente por confrontarem os interesses de grandes latifundiários em regiões estratégicas.

O caso da LCP e sua perseguição no estado de Rondônia demonstram a necessidade da criação de comitês de autodefesa entre os camponeses e todos os trabalhadores do campo contra as ameaças dos grandes latifundiários sangue sugas do território nacional e dos aparatos repressivos do Estado. Além disso, é necessário denunciar e exigir imediatamente a libertação dos presos políticos da LCP, neste que é mais um caso claro de ataque da extrema direita contra os trabalhadores e contra os movimentos sociais pela terra.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas