Siga o DCO nas redes sociais

“Improbidade administrativa”
Perseguição: Justiça condena Lindbergh por suposta fraude em licitação
É preciso deixar claro que esse é mais um episódio da longa história de perseguição da justiça golpista contra políticos do PT
CAE - Comissão de Assuntos Econômicos
“Improbidade administrativa”
Perseguição: Justiça condena Lindbergh por suposta fraude em licitação
É preciso deixar claro que esse é mais um episódio da longa história de perseguição da justiça golpista contra políticos do PT
Ex-senador petista afirmou que irá recorrer. Foto: Pedro França/Agência Senado
CAE - Comissão de Assuntos Econômicos
Ex-senador petista afirmou que irá recorrer. Foto: Pedro França/Agência Senado

Da redação – A Justiça do Rio de Janeiro condenou Lindbergh Farias, ex-senador do PT, por suposta improbidade administrativa, ao acatar ação do Ministério Público, que o acusou de fraude em licitação quando ele era prefeito de Nova Iguaçu.

A fraude teria ocorrido na licitação aberta pela Fundação Educacional e Cultural de Nova Iguaçu (Fenig), para um contrato de publicidade que divulgasse os programas da rede de ensino do município. A licitação foi vencida pela Euro Focco Comunicação Integrada Ltda, que recebeu R$ 54 mil para veicular os anúncios em uma revista.

Lindbergh Farias afirmou apenas que “essa é uma condenação em primeira instância” e que cabe recurso, portanto sua defesa irá recorrer.

Entretanto, é preciso deixar claro que esse é mais um episódio da longa história de perseguição da justiça golpista contra políticos do PT, acusados e condenados dos mais diversos crimes, a maioria deles risivelmente pequenos em comparação com os cometidos de fato pelos políticos da direita.

Lindbergh Farias tem sido intensamente atacado nos últimos anos, especialmente pela imprensa golpista, por participar mais ativamente – em comparação com outros parlamentares da esquerda – da luta contra o golpe e pela liberdade do ex-presidente Lula. É mais uma vítima do Estado de exceção que se abriu com o golpe e a instauração de uma ditadura judicial no Brasil, controlada pela extrema-direita e pelo imperialismo.