Perseguição judicial se intensifica e PT não pode usar imagem de Lula nas campanhas

lula-gleise-fta20170703085-aloisio-mauricio-estadao-conteudo

Ciente de que Lula é o maior concorrente dos golpistas nas eleições deste ano e que só o uso de sua imagem é capaz de derrotar qualquer um deles nas urnas, o Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) decretou que os juízes do estado façam uma busca e apreensão generalizada de “todo e qualquer material de responsabilidade das coligações representadas e seus respectivos candidatos, nos quais conste o nome de Lula“.

Na decisão, foi dito que “a manutenção da propaganda com a divulgação de candidato com o registro indeferido tem potencialidade de gerar dúvida no eleitorado, circunstância que deve ser evitada nesse momento da campanha”, como se a Justiça brasileira estivesse realmente preocupada com a manipulação eleitoral.

O recolhimento do material foi determinado a partir de uma representação movida pela coligação encabeçada pelo partido Democratas da Bahia (DEM-BA), que teria detectado a distribuição de santinhos com o nome e a foto do ex-presidente, no dia 22.

O fato mostra que o PCO estava certo quando afirmou que a prisão de Lula serviria para fortalecer os órgãos de repressão e as instituições de índole ditatorial, como a Justiça, a Polícia e o Ministério Público, afetando cada vez mais as camadas populares da sociedade brasileira.

A tomada do Supremo Tribunal Federal pelas Forças Armadas, com a nomeação de um militar de alta patente para assessorar o Presidente da Corte, Dias Toffoli, fizeram com que aumentassem as medidas antidemocráticas contra o povo, como a apreensão do material de campanha do partido mais popular do país, o PT. A ação arbitrária já ocorreu em ao menos cinco estados: São Paulo, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Paraná e, agora, Bahia.