Perseguição golpista no Equador: Após 19 dias de greve de fome, ex-vice-presidente sai do hospital e volta à prisão

ENTREVISTA AL SR. VICEPRESIDENTE EN RADIO ATALAYA

Da redação – O ex-vice-presidente do Equador, Jorge Glas, durante o governo do nacionalista Rafael Correa, passou 19 dias em greve de fome em protesto por sua prisão política, decretada no ano passado pelo regime golpista de Lenín Moreno.

Glas foi internado na quarta-feira (07) em um hospital de Quito por problemas decorrentes da greve de fome. Segundo fontes oficiais citadas pela Rádio Havana Cuba, a penitenciária de Latacunga, em que Glas estava, não deu o tratamento apropriado a ele, cuja condição de saúde foi agravada pela gastrite e pressão alta.

Ontem, após ser tratado no hospital, ele voltou para a prisão, apesar dos protestos de seus advogados devido à ainda grave situação humanitária que enfrenta devido ao tempo em que passou em greve de fome.

Eduardo Franco, seu advogado, denunciou que o culpado pela situação de saúde de Glas é o presidente Moreno, que viola seus direitos democráticos.

O Equador sofreu um golpe de Estado com a eleição de Moreno, apoiado por Correa, que acabou traindo sua base eleitoral e de movimentos populares, implementando uma política neoliberal e entreguista. A perseguição política também é clara, tanto com Glas como com o próprio Correa, que teve de se exilar na Bélgica.