Falsificação da história
Trata-se de uma distorção da história que demonstra a preocupação do imperialismo europeu com a crise, que tem levado à derrocada a “democracia” liberal e à polarização política
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
4002322856_4a6d2a9f58_k
O objetivo da UE é proibir o comunismo para conter o movimento operário. Foto: Mark Surman |

Na semana passada, o Parlamento Europeu publicou uma resolução na qual acusa a União Soviética, juntamente com a Alemanha nazista, de serem as culpadas pela deflagração da Segunda Guerra Mundial e iguala o stalinismo ao fascismo, em uma manipulação típica da direita e da burguesia com o objetivo de manipular a história para criminalizar o comunismo.

O documento leva em conta diversas resoluções e declarações anteriores de entidades europeias que condenam os “crimes dos regimes comunistas totalitários”, homenageiam as “vítimas do comunismo”.

Além disso, a resolução leva em consideração “fatos” históricos que fizeram com que o comunismo fosse proibido por lei em Estados-Membros da União Europeia. Esses fatos seriam, além das supostas atrocidades do stalinismo e dos Estados Operários no leste europeu (sempre superdimensionadas pela propaganda direitista), a assinatura do tratado de não-agressão germano-soviético, conhecido como Ribbentrop-Molotov. A resolução do Parlamento Europeu, portanto, afirma que a Segunda Guerra “foi resultado imediato” desse pacto e de seus protocolos secretos, “através dos quais dois regimes totalitários que partilhavam o objetivo da conquista do mundo dividiam a Europa em duas zonas de influência”.

Assim, a resolução “condena todas as manifestações e propagação de ideologias totalitárias, tais como o nazismo e o estalinismo, na União” e “expressa preocupação com a continuação da utilização de símbolos de regimes totalitários em espaços públicos e para fins comerciais e recorda que vários países europeus proibiram a utilização de símbolos nazis e comunistas”.

Trata-se de uma distorção da história que demonstra a preocupação do imperialismo europeu com a crise política e econômica no continente, que tem levado à derrocada a “democracia” liberal e à polarização política, com a ascensão de partidos de extrema-direita em diversos países e governos, por um lado, e também a tendência à mobilização da classe operária, por outro.

A distorção é clara quando o documento afirma que URSS e Alemanha nazista foram corresponsáveis pela Segunda Guerra, quando esta foi, na verdade, uma guerra provocada pelo imperialismo mundial a fim de salvar o sistema capitalista da gigantesca crise que se iniciou em 1929. Foi uma tentativa das burguesias dos diferentes países imperialistas (Alemanha, Inglaterra, EUA e França) de dominarem a economia mundial, uma delas fazendo uso do fascismo, mas onde em todos os países este não deixou de ser uma segundo opção para os capitalistas.

A União Soviética de Stálin apenas se defendeu da agressão que sofreu. Após trair a Revolução de Outubro e dizimar a vanguarda operária, a direção do Estado Operário degenerado atuou contra si própria ao castrar a URSS de sua maior força protetora, a classe trabalhadora organizada. Assim, adotou a capitulação diante do perigo que representava à sua soberania nacional o avanço das tropas nazistas sobre a Polônia e assinou o pacto de não-agressão com Hitler.

Mas a URSS foi a principal vítima da Guerra, com mais de 20 milhões de seus cidadãos morrendo durante o conflito. Isso, obviamente, o Parlamento Europeu esconde, em outra clara manipulação.

Tal invenção também serve para atacar o atual governo russo de Vladimir Putin. A resolução “Considera que a Rússia continua a ser a maior vítima do totalitarismo comunista e que a sua evolução para um Estado democrático será entravada enquanto o governo, a elite política e a propaganda política continuarem a «branquear» os crimes comunistas e a glorificar o regime totalitário soviético; exorta, por isso, a sociedade russa a confrontar‑se com o seu trágico passado” – uma clara intromissão nos assuntos da Rússia, que não pertence à UE.

Segundo esse relatório, existem “esforços envidados pela atual liderança russa para distorcer os factos históricos e para «branquear» os crimes cometidos pelo regime totalitário soviético, e considera que estes esforços constituem um elemento perigoso da guerra de informação brandida contra a Europa democrática com o objetivo de dividir a Europa, instando, por conseguinte, a Comissão a contrariar estes esforços de forma decisiva”.

A União Europeia distorce a história e acusa a Rússia de fazer isso. Ao mesmo tempo que utiliza essa falsificação para reprimir o movimento operário dentro de seu território, ela atribui à Rússia os seus próprios “podres”, para facilitar a agressão contra Moscou, que já vem sofrendo há anos os ataques do imperialismo europeu e norte-americano.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas