Latino-americanos sob ameaça
Eleições já demonstram sua limitação em todo o continente. Só a mobilização de massas pode parar o imperialismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Elecciones Ecuador / Divulgação
Urnas não tem força para impedir os ataques do imperialismo | Elecciones Ecuador / Divulgação CNE

A decisão do governo equatoriano, que recentemente jogou na ilegalidade o Partido Fuerza Compromiso Social (partido do ex-presidente Rafael Correa), acende um sinal de alerta para a esquerda latino americana de conjunto. Tendo recusado-se por oito vezes a tomar uma decisão tão drástica, a ação da justiça eleitoral do país é um forte indício de que o acirramento da luta de classes na  América do Sul não se encaminha para ditaduras similares às que tomaram o subcontinente entre os anos 1960 e 1980. O entendimento disto também está na carta produzida pelo Grupo de Puebla, cujos membros incluem os ex-presidentes brasileiros, Lula e Dilma Rousseff.

No documento, os signatários fazem um “apelo cordial” ao regime equatoriano para que reconsiderem a decisão, que, segundo eles, denota uma “arbitrariedade própria das ditaduras militares”. Se a forma pode ser alvo de debates, no conteúdo a carta está correta. Especialmente por lembrar que os problemas levantados pela medida não ferem apenas o Equador mas todo o “hemisfério”, fruto da “pressão indevida” que abre um “grave precedente regional”.

Embora não chegue a dizer expressamente, é nítida a pressão do imperialismo, cujos tentáculos se estendem sobre o regime político do Equador e de todo o continente. No caso equatoriano, fica claro que o ataque contra Rafael Correa se mostrou insuficiente, o que esclarece também o caráter impessoal dos ataques, que visam fundamentalmente à população latino americana, suas organizações de luta e suas lideranças políticas.

O mesmo padrão se desenvolve na Bolívia, onde um golpe de Estado anulou as eleições presidenciais que consagraram a vitória de Evo Morales. Como a sequência de eventos que levaram à fuga do presidente eleito manteve a popularidade do partido Movimiento Al Socialismo (MAS), que continua sofrendo ataques do regime golpista boliviano comandado por Jeanine Áñez. As eleições, inicialmente previstas para 3 de maio, seguem sob forte indefinição diante da dificuldade de Áñez em controlar a situação, dramaticamente agravada pela emergência do coronavírus.

Sem tanto alarde por parte da imprensa (por razões óbvias), as eleições municipais, marcadas para o mês de outubro, seguem indefinidas no Brasil. O Congresso Nacional aprovou a prorrogação do pleito porém muita discussão já rondou o tema, com editoriais defendendo inclusive um mandato-tampão comandado pelo judiciário (Estadão). E tal como em nossos vizinhos, atentados cometidos por agentes da polícia dão o tom do clima político do país, profundamente radicalizado. Condições que tornam pouco crível a superação da crise sem uma forte mobilização popular, que derrote os interesses golpistas e imponha pela força do povo mobilizado, os interesses da população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas