Perseguição a Césare Battisti no Judiciário continua, com pretexto absurdo

batisti

O governo golpista tem seguido obstinado em remover todos os aspectos progressistas que os governos do PT tiveram. Desde os mínimos direitos relacionados ao acesso à assistência básica da população até mesmo as poucas garantias democráticas, tudo tem estado em constante ameaça pelos golpistas.

Durante o governo Lula, o escritor Cesare Battisti, exilado no Brasil, conseguiu permanecer no país, mesmo tendo sua extradição solicitada pela Itália. Assim como Lula, Battisti foi condenado pelo governo italiano sem quaisquer provas.

Após a derrubada ilegal da presidenta Dilma Rousseff, isto é, após o golpe de 2016, o presidente golpista Michel Temer demonstrou seu interesse em revogar a decisão de Lula. Pouco tempo depois, Battisti foi preso pela Polícia Federal por supostamente estar fugindo do país. No entanto, tal acusação é absurda, pois Battisti, naquela época, não tinha nenhuma restrição para deixar o país e, caso quisesse, poderia sair do Brasil.

Recentemente, após a prisão do ex-presidente Lula, os golpistas inventaram novos pretextos para prender Cesare Battisti. Segundo a Promotoria em São Paulo, Battisti seria um criminoso por ter mentido em seu casamento, ao afirmar que morava em Embu das Artes, e não em Cananéia.

Obviamente, esse pretexto é absurdo, pois não há nenhuma vantagem em mentir sobre o local de residência, ainda mais sendo os locais no mesmo Estado. Isto é, acusar Battisti de “falsidade ideológica” é claramente uma forma de dificultar ainda mais sua permanência no Brasil. Além disso, não foram, mais uma vez, apresentadas as provas de que Battisti estaria mentindo.

Battisti é mais um dos vários perseguidos pelo governo golpista, como o próprio ex-presidente Lula e o líder popular José Rainha. Por isso, é necessário que os trabalhadores e setores democráticos se mobilizem contra o golpe, exigindo liberdade para todos os presos políticos.