Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Em 2016, um golpe de Estado depôs a presidenta da República eleita por mais de 50 milhões de brasileiros, a petista Dilma Rousseff. O golpe, no entanto, foi o resultado de uma iniciativa do imperialismo, que não conseguia, diante das contradições existentes dentro do governo do PT, aprovar o pacote de medidas de massacre da população.

Apesar de o golpe ter partido única e exclusivamente do interesse do imperialismo, a imprensa golpista sempre culpou o PT por tudo o que aconteceu com ele. Assim, independente de o PT contra-atacar ou não, de tentar fazer algum acordo no parlamento ou não, de incentivar alguma reação violenta ou não, a burguesia sempre culpou o PT pela “alta temperatura” e por tudo o que estava acontecendo no país. Segundo a imprensa burguesa, o problema do país é que o PT é radical demais e não quer fazer uma autocrítica – isto é, tornar-se tão manso quanto o PSOL.

Em menos de uma ano após o golpe, que expulsou o PT do governo, que criou condições cada vez maiores para a prisão de Lula, que está promovendo um verdadeiro esmagamento nos sindicatos (sendo que a maioria dos sindicatos estão ligados ao PT) e que já aplicou uma quantidade absurda de multas ao Partido dos Trabalhadores, a imprensa burguesa começou a apontar o PSB como um partido “arrependido”. Isto é, o fato de o PSB não ter defendido Dilma durante o processo de impeachment teria sido um mero detalhe, um equívoco que seus caciques teriam cometido.

Essa versão, no entanto, nunca se sustentou. O PSB nunca se arrependeu do golpe – afinal, nunca fez qualquer campanha pela anulação do impeachment, sequer fez campanha contra a prisão do ex-presidente Lula. Pintou sua pomba de verde e amarelo e tentou, com todas as suas forças, tirar o vermelho das manifestações pelas “Diretas Já!”. Toda essa campanha direitista, obviamente, recebeu o maior apoio da imprensa burguesa, que criticava os atos da esquerda por serem “partidários”, entre outras sandices.

Com uma relativa aproximação das possíveis – embora improváveis eleições de 2018 –, tem sido feita uma pressão cada vez maior, em todo o país, para que o PT se alie ao PSB. Em Pernambuco, a pressão e a especulação é diária. Já houve até jornalista que dissesse que Paulo Câmara, atual governador de Pernambuco, estaria sendo cotado para ser o vice-presidente da República em uma capa encabeçada por Haddad. Contudo, os boatos mais frequentes são os de que o PT apoiaria a candidatura de Paulo Câmara à reeleição, enquanto o PSB apoiaria um candidato do PT ao senado.

A pressão e a especulação da imprensa, entretanto, não é o suficiente para que a burguesia convença o PT de Pernambuco a se aliar aos golpistas. É necessário convencer a base de que se aliar com o PSB seria uma aliança “contra Temer”. Para isso, os golpistas lançaram mão do PCdoB – o partido dito comunista, mas que defende aliança até com o PSDB.

O PCdoB tem sido um defensor muito fiel do PSB em Pernambuco. Não era para menos – o partido ocupa a vice-prefeitura da capital, comandada pelos golpistas. Na vinda de Manuela D’Ávila para Recife, governador e prefeito prepararam uma recepção calorosa para ela. Assim, com uma face mais esquerdista, o PCdoB também vem pressionando o PT para que não lute contra o golpe e ande de mãos dadas com os golpistas.

Apesar de toda essa pressão, o PT não demonstra qualquer tendência em se aliar com o PSB. Em recente entrevista à CBN, o presidente estadual do partido, Bruno Ribeiro, foi bem claro: o PT, em Pernambuco, tem uma posição reafirmada em não se aliar com o PSB.

O maior líder popular do país, eleito duas vezes presidente e principal figura pública do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, está na iminência de ser preso. A única forma de impedir isso é através de uma aliança com a classe trabalhadora e com os setores democráticos, organizados em comitês de luta contra o golpe, e não com partidos burgueses e oportunistas. Por isso, é necessário criar milhares de comitês pelo país, centrados nas palavras de ordem de “Não vai prender” e “Abaixo a intervenção militar no Rio de Janeiro”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas