Campanha de morte
Não podemos recuar diante da pressão da burguesia e da pequena burguesia direitista! É preciso defender os interesses dos professores e dos estudantes!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
volta-as-aulas-manaus
Volta às aulas será um genocídio patrocinado pela direita pequeno burguesa. | Foto: Reprodução

A volta às aulas tem sido tema de grande destaque na mídia golpista e também na população em geral. Cada vez mais abordado, o problema das aulas presenciais aparece principalmente nas grandes cidades do país, como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Essa exposição excessiva normalmente vem acompanhada do discurso de que as escolas precisam se preparar para que seja segura a exposição ao ambiente escolar.

Eis a questão, um fomento para a classe média direitista investir tempo e esforço na luta pelo genocídio de pais, professores e alunos, especialmente os mais pobres. Ou seja, os protocolos sanitários só servem para permitir, sem nenhuma medida concreta, a volta ás aulas em todos os lugares. É justamente um dos pontos dos quais se debruçam os argumentos dos fascistas que defendem á morte de milhares de pessoas na reabertura das escolas.

Ao pedirem que a Rede Privada de Ensino possa funcionar em plena pandemia, estão pressionando ainda mais o retorno da Rede Pública de Educação sob o argumento de que a rede privada está sendo destruída pelos prejuízos econômicos e que a rede pública não possui recursos para aulas a distância. Pelo “bem” da “educação” digo que volto! A mídia faz parecer heroico.

O ensino a distância e o ensino híbrido são colocados em quase todos os veículos de imprensa como alternativas à educação presencial. Nada poderia ser mais malicioso, o que impede o cancelamento do ano letivo, e consequentemente o cancelamento das aulas no ano atual, é a adoção do EAD como equivalente ao ensino regular. E o ensino híbrido, outro argumento, seria um “ensaio de volta ás aulas”, aumentando a pressão para uma volta plena.

O esperneio dos fascistas em prol da “educação” é uma campanha de morte!

Seu verdadeiro e único interesse é o retorno dos lucros exorbitantes que as escolas possuem, e os planos do governo são os de usar a vida da população, e por consequência da população mais pobre, como moeda de compensação para o setor privado. Até mesmo as opiniões de uma criança são usadas para sensibilizar leitores e telespectadores!

Enquanto isso, os prefeitos das grandes cidades se preparam para seguir a tendência de fim da quarentena nas escolas. Tendência que vai de encontro aos pais, professores e alunos do país inteiro que, quase unanimemente, reivindicam que o retorno das atividades escolares se dê somente após a pandemia, com vacinação em massa de toda população.

Atitudes como a do Prefeito Coveiro Bruno Covas de liberar o espaço das escolas para as práticas extracurriculares são colocar os pés na política genocida de botar crianças e trabalhadores da educação para dentro da escola! Não cabem mais doses de demagogia!

É preciso denunciar arduamente a política assassina da volta às aulas sem vacinação em massa da população, a política do EAD que impede o cancelamento do ano letivo e o ensino híbrido como uma farsa dantesca! Não podemos recuar diante da pressão da burguesia e da pequena burguesia direitista! É preciso defender os interesses dos professores e dos estudantes! O enfrentamento do golpe e do fascismo também se dá na esfera da educação! Fora Bolsonaro e todos os golpistas! Pelos direitos políticos de Lula e pela candidatura do Ex-Presidente!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas