Inflação
Inflação oficial oculta que a carestia tem corroído os salários em pelo menos dois dígitos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
arroz-preco
Preço do arroz explodiu durante o ano | Reprodução

Nesta quarta (30) o governo federal publicou a MP (Medida Provisória) 1.021 no Diário Oficial da União, definindo o salário mínimo como R$1.100 (mil e cem reais) a partir de 1º de janeiro de 2021. É o segundo ano que o valor é definido pelo governo golpista de Bolsonaro e que não há aumento real, ou seja, superior à inflação.

MP que define salário mínimo de 2021 foi publicado no DOU desta quinta-feira (31) — Foto: Diário Oficial da União

No último dia 16 de dezembro o Congresso Nacional aprovou a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2021 com previsão de reajuste do salário mínimo de R$1.045 (mil e quarenta e cinco) para R$1.088 (mil e oitenta e oito reais). O reajuste então considerava o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 4,11%. No entanto, como denunciado por este Diário, o acumulado do índice nos últimos 12 meses (novembro de 2019 a novembro de 2020) foi de 5,22%, o que significava que o salário teria perda real! Para evitar essa distorção escancarada, o governo fez a correção na MP e a está utilizando como propaganda de que manteve o poder de compra do salário mínimo, o que não passa de uma farsa.

Perdas reais

Os índices de inflação como INPC e IPCA, medidos pelo IBGE e Índice Geral de Preços ao Mercado (IGP-M), medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), ajudam a entender melhor a situação atual no País. Tanto INPC quanto IPCA verificam “o que a população consome e quanto do rendimento familiar é gasto em cada produto: arroz, feijão, passagem de ônibus, material escolar, médico, cinema, entre outros.” A diferença entre eles é que o primeiro calcula a variação destes preços e o impacto nas famílias com renda de 1 a 5 salários mínimos. Já o IPCA, abrange uma faixa maior, de 1 a 40 salários mínimos. Não é por acaso que enquanto o IPCA subiu 4,31 nos últimos 12 meses, o INPC foi de 5,22%. A inflação foi maior para a população que ganha menos.

Mas o problema não acaba aí. Isto porque os preços dos alimentos explodiu em 2020. O preço da carne bovina até novembro havia subido 37% nos últimos 12 meses. O preço dos alimentos na Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), maior central de abastecimento da América Latina, subiu 15,9% em 2020!

Logo, para os trabalhadores mais pobres, que gastam boa parte do salário em alimentação, a inflação não foi menor do que o aumento nos preços de produtos básicos. Uma vez que o trabalhador pode fugir do aumento de 37% na carne deixando de comer carne, como é comum. Mas não consegue fugir do aumento do arroz, do feijão, do ovo, do leite, das verduras, frutas, gás de cozinha e combustível ao mesmo tempo.

Se foi assim na questão dos alimentos, nos alugueis a situação foi ainda pior. O IGP-M, índice utilizado para reajuste de alugueis e contratos, foi superior a 23,14% no acumulado do ano. Ou seja, mesmo que o salário mínimo ficasse no zero a zero na média da cesta de produtos medida pelos índices oficiais, o reajuste não atingiria o valor médio da alta dos alugueis. Isto significa que um trabalhador que paga aluguel perdeu na verdade 17,95% do seu salário (subtraindo os 5,22% do INPC dos 23,14% do IGP-M).

O que mostra que mesmo com um reajuste de 5,22% no salário mínimo, o que ocorre neste momento são perdas reais no salário dos trabalhadores, rebaixado pelas MP’s de Bolsonaro e corroído pela inflação real, para muito além da maquiagem da inflação oficial.

Desde o golpe de Estado não há aumento

O governo Bolsonaro concedeu reajuste no nível da inflação possivelmente por dois motivos. A propaganda política de dizer que manteve o poder de compra dos trabalhadores, por um lado. Mas, mais do que isso, para compensar em alguma medida bem rebaixada, o fato do próprio governo ter acabado com o auxílio emergencial.

Isto deixa claro que não a situação atual não é uma fatalidade da pandemia, mas sim uma política do governo Bolsonaro no atendimento do programa político da burguesia golpista. Prova disso é que este é o segundo ano consecutivo que não há aumento no salário mínimo, de acordo com os próprios dados da inflação oficial. Ao considerar o cálculo levantado acima, o que tem acontecido na realidade é uma perda de salário cada vez maior por parte dos trabalhadores.

Salário mínimo vital

Este quadro ajuda a entender a causa de toda a instabilidade e polarização política no País, bem como a farsa do regime político atual. Isto porque segundo a Constituição Federal de 1988, em seu Artigo 7º, inciso VI, é um direito dos trabalhadores da cidade e do campo o:

“salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim”.

Entretanto, com a carestia atual no País e outros fatores como o maior desemprego da história do País, a população trabalha cada vez mais e ganha cada vez menos. Isso tudo com um custo de alimentação e moradia indigno, que leva à subnutrição, à miséria e aos despejos. Enquanto enfrenta mais exploração, mais pobreza e morre de coronavírus, a classe operária vê a burguesia imune à pandemia, utilizando-se dela como pretexto para concentrar cada vez mais renda. É a equação certa para uma explosão social.

Neste sentido, um salário de R$1.100 é um crime contra todo o povo brasileiro. Uma ilegalidade que ignora a própria Constituição da República, dado que este valor é insuficiente para prover o sustento de qualquer família brasileira de acordo com o que apregoa a própria constituição!

Necessidade Estimativa Mínima Observações
Moradia R$1.000 Pagamento de prestação ou aluguel de um imóvel de 2 quartos
Alimentação R$1.800 3 X Custo da Cesta Básica, conforme Dieese
Educação R$ 200 Gastos com material escolar, alunos em escola pública, internet
Saúde R$ 200 compra de remédios, usando saúde pública (sem plano)
Lazer R$ 400 2 saídas de fim de semana por mês
Vestuário R$ 300 8 peças de roupa/calçado por mês por
Higiene R$ 200 produtos de higiene e limpeza
Transporte R$ 400 4 passagens por dia x 25 dias por semana, ao preço médio de R$4
Previdência Social  R$ 500 11% de contribuição para INSS
TOTAL R$5.000

A única forma, portanto, dos trabalhadores se colocarem diante do salário é a reivindicação de um salário mínimo vital superior a R$5.000 (cinco mil reais), ou seja, o valor suficiente para prover as condições mínimas de vida de uma família de trabalhadores. Reivindicação que é condição sine qua non para que haja democracia. Afinal, um regime que mata os trabalhadores de fome e em que o salário mínimo é insuficiente para a sobrevivência do povo, é uma ditadura que precisa ser derrubada pela mobilização popular.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas