Especial Pelé 80 anos
Rui Costa Pimenta explica o porquê das críticas da esquerda pequeno-burguesa a Pelé
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
rui costa pimenta marxismo
Rui Costa Pimenta | Foto: Arquivo DCO

O presidente do Partido da Causa Operária, Rui Costa Pimenta, durante o programa de maior audiência da Causa Operária TV, a Análise Política da Semana (no ar todos os sábados, 11:30), respondeu a uma pergunta, feita por um espectador, sobre os ataques da esquerda pequeno-burguesa a figura do Pelé.

Pimenta falou que as críticas da esquerda ao futebol e ao Pelé demonstram o perfil de classe dessa parcela da esquerda. O futebol, segundo Pimenta, possui grande apelo popular e, que a visão de que o futebol é o “ópio do povo” é uma visão fundamentamente da direita e não da esquerda. Até por, de fato, ver o futebol como “ópio do povo”, que a classe dirigente da direita, a burguesia, o controla, assim como faz com toda cultura.

Parte do conceito da esquerda pequeno-burguesa com viés identitário ter preconceito com o futebol é pelo fato da população, nos estádios, extravazar nas suas falas e atitudes, muitas vezes preconceituosos. Todavia, não é possível exigir da população “etiqueta” em um contexto onde a educação da população é sempre colocada em segundo plano pelas classes dominantes.

Os grandes heróis do futebol brasileiro são todos advindos da classe operária. Para isso, tem-se o exemplo de Cafu, homenageando o Jardim Irene, bairro popular onde foi criado, durante a festa do título mundial em 2002.

Sobre Pelé, Rui Costa Pimenta falou que o Brasil é o melhor futebol do mundo não apenas por causa de Pelé, mas que mesmo antes do rei já haviam jogadores de ponta, como Leonidas da Silva. Entretanto, Pelé representou a perfeição. Um jogador com grande capacidade física, inteligência e capacidade de concentração. Um artista completo do futebol.

Rui Costa Pimenta descreve as críticas feitas a Pelé como “distracionistas”, pois não tem a ver com o papel desempenhado pelo rei do futebol dentro de campo. Pelé nunca teve pretensão alguma em ser um líder político.

Respondendo uma crítica feita a Pele, pelo PSTU, que coloca Pelé como o rei da classe dominante e escravocrata, o companheiro Rui explica que é o oposto, Pelé não é o rei dos escravocratas, mas o rei dos escravos. Pelé não foi escolhido pela burguesia, mas pelo povo, e que a classe dominante só o tolerou enquanto este lhe serviu para aumentar seus lucros.

Por fim, Rui explica que o futebol não é como o ópio, que retira a pessoa da realidade, pelo contrário, o futebol é parte da realidade, e tanto o sucesso brasileiro quanto a figura de Pelé são motivo de orgulho para a população brasileira.

Abaixo, link com o recorte da resposta do companheiro Rui:

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas