80 anos do Rei Pelé
Pelé é o maior jogador de todos os tempos, mas enfrenta a campanha contra o futebol brasileiro feita pelo imperialismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
neymar_pele_rib16
Pelé e Neymar, dois dos milhares de craques do futebol brasileiro | Arquivo

No próximo dia 23 de outubro, o maior jogador de futebol da história, Edson Arantes do Nascimento, completará 80 anos de idade. O aniversário de Pelé é uma boa oportunidade para colocar em debate a polêmica em torno da importância do futebol brasileiro não apenas para o desenvolvimento do esporte mais popular do mundo, mas para a própria cultura nacional.

Os brasileiros foram os responsáveis por transformar o futebol em arte. O povo brasileiro, mais especificamente o povo pobre, negro e trabalhador, pegou um esporte criado pelos europeus e o transformou em uma nova modalidade. Esse fato é um fenômeno de massas, uma transformação que só é possível graças aos grandes movimentos das massas.

Pelé é o cume dessa arte. Após décadas de desenvolvimento, o futebol brasileiro – e consequentemente o futebol como um todo – atingiu seu ponto mais alto com a geração de Pelé entre as décadas de 50 e 70.

Por isso mesmo, Pelé é uma espécie de “símbolo” nacional. Um brasileiro, negro retinto, vindos das camadas mais pobres da população, se transformou no maior jogador de futebol de todos os tempo, reconhecido por todo o mundo.

Esse reconhecimento, no entanto, esbarra nas contradições da própria formação da sociedade brasileira. Sendo um país atrasado e colonizado, há uma enorme pressão por parte do imperialismo contra qualquer tentativa de consolidação de uma cultura nacional genuína. Não se deve confundir essa luta com um problema meramente cultural. Para o imperialismo, trata-se de manter um país como o Brasil sob controle.

A dominação cultural é uma expressão na superfície da dominação econômica. O brasileiro não pode ter orgulho de suas conquistas, não pode haver um sentimento nacional que fortaleça o povo contra essa dominação imperialismo.

No futebol, essa luta é ainda mais importante pois se trata de um esporte que gera milhões todos os anos.

Desse modo, a imprensa capitalista, uma sucursal do imperialismo no País, difunde a ideia de que ao futebol brasileiro não teria tanta importância assim. Essa ideologia recai em primeiro lugar sobre os próprios jogadores que acabam encarnando o futebol.

É nesse marco que Pelé, em que pese as homenagens e demagogia feita pela burguesia, é frequentemente atacado. Procuram desmoralizar sua posição indiscutível como jogador de futebol, ora trazendo à tona questão pessoais – muito questionáveis, por sinal – ora simplesmente procurando outro jogador para contrapor à sua realeza no esporte.

A classe média – de esquerda e de direita – é a correia de transmissão dessa ideia estapafúrdia de que Pelé não é o maior do mundo. Contrariando o “óbvio ululante” sobre o futebol brasileiro tão bem defenido por Nelson Rodrigues, criam um mundo paralelo em que vale contrapor a Pelé quaçlquer outro jogador que a rigor não seria sequer passível de comaração.

O objetivo dessa tentativa de rebaixar o jogador brasileiro é atacar o povo brasileiro de conjunto e a cultura nacional. Esse é o sentido dessa ideologia. A mesma coisa acontece atualmente com o próprio Neymar, guardadas as proporções.

É por isso que uma tarefa essencial da esquerda e do movimento operário brasileiro é defender a cultura genuinamente nacional e popular.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas