Maior jogador do mundo
PSTU repete argumentos contra o maior jogador do mundo, em nome de um moralismo religioso, disfarçado de crítica esquerdista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Pelé com Mohamed Dali | Arquivo

A esquerda pequeno-burguesa desenvolveu uma espécie de hábito de entregar para a burguesia e a direita as conquistas do povo. Ídolos da cultura e do esporte frequentemente são transformados em inimigos, sem saber exatamente por qual motivo, normalmente por considerações morais e abstratas.

É exatamente nesse caso em que está situada a relação da esquerda com o maior jogador de futebol de todos os tempos, Pelé. A impressão que se tem, ao conversar com esquerdistas ou ler boa parte da imprensa de esquerda é que Pelé está condenado de antemão, não por aquilo que ele se propôs a fazer, que é jogar futebol, mas por qualquer outra coisa.

Um exemplo de como a esquerda trata o assunto é o artigo publicado na última segunda-feira, dia 26, intitulado “Sobre Pelé, Edson, 80 anos e reinados”, publicado na editoria de “negros” do sítio do PSTU.

Uma posição sectária e anti-marxista

Os problema relativos à cultura, embora determinados pela política e a luta de classes, tem as seus próprias leis. Não fosse assim, seríamos obrigados a jogar na lata do lixo praticamente toda a produção cultural da humanidade. já que em geral, tudo o que foi produzido nesse terreno não foi feito sobre a base dos mais belos valores morais. O futebol, como um fenômeno cultural, deve ser analisado dessa maneira.

O PSTU não tem esse método ao falar de Pelé. Embora reconheça que ele seja um “bom jogador”,

“na medida em que Pelé tornava-se um ídolo para milhões de pessoas –  incluindo muitas crianças no mundo inteiro – sua imagem como homem público, um homem negro, ia se tornando contraditória, cheia de incoerências, com escândalos em sua vida pessoal, envolvendo sua família e seu papel como pai, muito contestado e com críticas duras a ele, principalmente por conta de sua relação nada amorosa com uma de suas duas filhas que teve fora do casamento. (…) O reconhecimento demorou quase 30 anos para acontecer e Pelé nem foi ao enterro da filha, para uma despedida. Por isso, na medida em que se rendem homenagens ao Rei Pelé, também esse “reinado” é contestado por muitas pessoas. Afinal, que Rei é Pelé?”

O Rei Pelé, ou seja, a realeza do futebol mundial, é contestado por um suposto desvio ético em sua vida familiar. Nem mesmo a Igreja Católica seria tão moralista. Os “marxistas” do PSTU não acreditam que Pelé deveria ter seu lugar reservado no Paraíso da luta de classes.

De acordo com tal mentalidade, fica a dúvida: será que a única salvação para Pelé seria se ele fosse um militante morenista do PSTU? Essa deveria ser a conclusão natural se o raciocínio do artigo fosse levado até suas últimas consequências.

Conforme dissemos acima, se fossemos coerentes com o pensamento do PSTU, deveríamos contestar o “reinado” de muitas outras personalidades da cultura. Sempre haverá um desvio moral que se possa apontar nesse ou naquele artista. A não ser que acreditemos, por exemplo, que todos os compositores importantes da música foram perfeitos.

Justamente por isso, os marxistas ensinaram que a cultura deve ser analisada segundo suas próprias leis. O legado criativo da humanidade, com todas as suas contradições, deve servir para edificar uma nova cultura, superior, socialista, e não ser destruída e apagada. Assim, também, a criação contemporânea deve ser entendida sobre as base de suas próprias leis.

O legado de Pelé deve ser analisado pelo seu futebol e pela sua importância na evolução do futebol brasileiro.

Uma mentalidade colonizada

Mas há uma questão de classe nessa ideia apresentada no artigo do PSTU. É a influência de uma ideologia imperialista que convence o brasileiro que sua cultura, que as conquistas genuínas de seu povo, não deve ser valorizada.

É uma mentalidade colonizada que pega em primeiro lugar a classe média. No caso da classe média de esquerda, essa mentalidade se apresenta por meio de colocações pseudo esquerdistas, como fica claro no artigo do PSTU.

A moralidade de Pelé é tão condenável que sua importância máxima no futebol deve ser contestada. Pelé não é um exemplo nem da família, nem é um nome da luta contra o racismo. Todas essas justificativas, verdadeiras ou não, são pretexto para desmoralizar uma das coisas mais importantes produzidas pelo povo brasileiro: Pelé e seu futebol.

O desprezo que o PSTU e a esquerda pequeno burguesa têm a Pelé e ao futebol brasileiro é um desprezo contra o povo brasileiro e, nesse caso, contra o povo negro, trabalhador, que transformou o futebol do País no mais importante produto cultural do mundo. Uma conquista que é tratada com desdém e desprezo.

Esse desprezo ao Brasil fica muito claro no artigo do PSTU. O Brasil não pode ter um “rei” do futebol porque o Brasil seria, na concepção do PSTU, um País horrível. Aqui, se confunde a política da burguesia, que impõe a miséria contra a maioria do povo, com o Brasil e o povo de conjunto. Dito de outro modo, não é uma crítica à burguesia brasileira e ao imperialismo e um chamado à luta contra essa dominação, mas um ataque contra todo o povo.

Pelé é um Rei num país racista (…) Pelé é um rei num país machista (…) Pelé é um Rei num país LGBTIfóbico que mais mata a população LGBTI no mundo, cujo o futebol, o esporte que lhe deu seu reinado, segue com práticas machistas e lgbtifóbicas nos estádios, através de suas torcidas que não só entoam cantos lgbtfóbicos, como perseguem jogadores LGBTIs que são obrigados a esconderem sua orientação sexual.

Fica muito claro o desprezo pequeno-burguês pelo povo brasileiro.

Uma das maiores conquistas do povo negro brasileiro, o futebol, é tratada como uma farsa, uma manipulação. “Brasileiro, não tenho orgulho de nada!”, afirma o PSTU. Pelé é só “um negro de origem pobre que ascendeu socialmente e que a burguesia branca e racista adora. Assim, tornou-se amigo dos poderosos do Estado.”

O que resta ao brasileiro, segundo o PSTU? Jogar fora todas as conquistas culturais do povo. Por que só Pelé é tudo isso? Deveríamos mandar para o lixo tudo o que não se enquadra exatamente nos nossos conceitos morais? Aparentemente, para o PSTU, sim.

Mas permita-nos duvidar da pureza moral dos morenistas do PSTU.

Ao negro, não basta ser o melhor

Por que Pelé deve ser contestado em sua realeza, como afirma o artigo do PSTU?

“diferente de outros atletas negros como o boxeador Muhamad Ali e os corredores Tommie Smith e John Carlos – que ergueram seus punhos em protesto contra o racismo nos EUA – Pelé jamais se somou à luta contra o racismo, nem no Brasil e nem no mundo. (…) Pelé é um negro de origem pobre que ascendeu socialmente e que a burguesia branca e racista adora. Assim, tornou-se amigo dos poderosos do Estado.”

Para o PSTU – e sabemos que isso é um pensamento recorrente entre a classe média – Pelé deveria ser a perfeição política e moral, só assim deveria ser valorizado. Novamente, a secretaria de negros do PSTU exige do negro Pelé aquilo que ele não se propôs a fazer, será que há alguma coerência nisso. Será que o PSTU exige de outros a mesma coisa que exige do negro Pelé?

Convidamos o leitor a olhar o sítio do PSTU na internet e verão elogios a muitos artistas e personalidades: negras, brancas, operárias ou burguesas, tais personalidades não recebem o mesmo tratamento dado a Pelé. Das duas uma: ou essas exigências valem apenas para Pelé ou as demais personalidades são perfeitos e só Pelé tem defeitos. Logicamente ficamos com a primeira opção.

Se levarmos a sério o método do PSTU para outras personalidades nos restaria apenas elogiar, em última instância, personalidades que são militantes morenistas do PSTU. Fica claro o absurdo do método.

A acusação do PSTU é a de que Pelé é rei em um País “racista”, “machista” e LGBTfóbico”. A conclusão que devemos tirar é que esse reinado de Pelé não vale um tostão furado. Vale tanto quanto o próprio Brasil, que aparentemente é o único país que tem defeitos no mundo e que portanto não deve ter orgulho de nada que fez.

Como fica claro, as objeções absurdas e infundadas ao “reinado” de Pelé são na realidade uma aversão da classe média ao próprio País e ao povo brasileiro. O artigo do PSTU revela esse sentimento bastante típico da classe média: o Brasil e o povo brasileiro são tão ruins que não merecemos ter orgulho de nada.

Muito revelador é que o artigo tenha sido publicado justamente na editoria de negros do portal do PSTU. No aniversário de um dos negros brasileiros mais importantes e reconhecidos do mundo, os negros do PSTU preferem ataca-lo e despreza-lo. Como dissemos, o mesmo tratamento não é dado por outras personalidades homenageadas pelo PSTU.

Outro aspecto importante disso é que se o método do PSTU for aplicado a outras personalidades importantes do povo negro, elas também deveriam ser desprezadas. Será que Zumbi dos Palmares, grande lutador pela libertação do negro, era a favor dos LGBTs e feminista? É até ridículo formular a coisa assim, mas é como deveríamos encarar seguindo o método do PSTU. Outro exemplo, o marinheiro João Cândido, líder da Revolta da Chibata, deveria ter sua importância contestada porque foi integralista numa parte da vida? Claro que não.

Para Pelé é exigida a perfeição, não no futebol, porque no futebol ele é a perfeição, mas em coisas que ele não se propôs a fazer.

E por que isso acontece com Pelé? Voltamos à mentalidade colonizada da classe média – de direita e de esquerda – brasileira. O problema é que por conta da luta econômica no futebol, é preciso convencer o brasileiro de que ele não deve ter orgulho de sua criação, das coisas que realizou. O Brasil não pode dominar o futebol, não pode se orgulhar de ter o melhor futebol do mundo porque isso ameaça os lucros das empresas imperialistas.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas