Pela união das torcidas organizadas contra a extrema-direita: Fora Bolsonaro!

1_jaJ5V5DjOqBcjCMSg92sAA

Uma semana após dar uma de penetra na festa do título do campeonato brasileiro de 2018 pelo Palmeiras, invadindo o campo para aparecer na televisão, o Major Olímpio, eleito como senador em processo eleitoral fraudulento de 2018, deu uma entrevista para o jornal golpista Estadão, para dizer que como senador vai retomar seu projeto de extinção das torcidas organizadas no Brasil.

O direitista Major Olimpio, que conseguiu a proeza de sair vendedor nas eleições de senador, quando seu nome ficava bem atrás nas pesquisas em relação ao ex-senador Eduardo Sulplicy, está mostrando que é inimigo do torcedor, do direito de organização no Brasil e por fim inimigo do futebol.

Sua proposta quer o fim das torcidas organizadas nos estádios, com a alegação esdrúxula de que os integrantes das torcidas organizadas são bandidos, que só vão no estádio para arrumar confusão, e mortes.

No entanto, pesquisas mostram que quem mais mata no Brasil é a polícia, e que os membros das torcidas organizadas já estão fichados no MP (Ministério Público), e na delegacia de polícia, e portanto, possivelmente os casos de enfrentamento de torcidas deve estar sendo estimulada pela própria polícia.

Outro fato importante nas declarações do Major bolsonarista é de que ele e seus correligionários bolsonaristas, são todos indivíduos com mentalidade policialesca, que acham que a polícia deve mesmo ser repressora nos Estádios, dar borracahada em torcedores, mulheres e crianças. No caso da torcida organizada, esses fascistas as caracterizam como sendo organizações criminosas e seus membros bandidos. Uma verdadeira afronta ao futebol, uma arte altamente desenvolvida pelos brasileiros.

Com a ofensiva dos bolsonaristas, como o Major Olimpio, em relação ao direito de organização das torcidas, é necessário começar um grande movimento no meio das torcidas contra esses fascistas, que não gostam de futebol, não gostam da cultura popular e detestam a população operária e pobre do país que é a grande entusiástica do futebol.

O ataque ao futebol é um ataque à cultura e à sociedade brasileira.

É preciso criar uma movimento com todas as torcidas organizadas contra Bolsonaro e todos os golpistas, pela liberdade de Lula, criando um manifesto onde os torcedores, organizados ou não, possam defender a sua própria existência contra o maior inimigo da cultura popular que são a extrema-direita e a burguesia, hoje representada pelo Bolsonaro, Major Olimpio, Fernando Capez entre outros golpistas da direita.