PE: Golpistas do PSB querem faturar em cima de Lula

psb e ciro

A prisão do ex-presidente Lula não resolveu a enorme crise política em que se encontra o regime político. Mesmo preso, Lula ainda é o candidato com maior intenção de voto em todas as pesquisas – nem mesmo a burguesia consegue esconder que ele venceria no primeiro turno. Por isso, os donos do golpe já estão lançando mão de uma serie de manobras para enfraquecer a candidatura de Lula, visando excluí-lo definitivamente do regime político.

Uma das várias manobras da direita tem sido a utilização de partidos tidos como “de esquerda” para confundir o eleitorado de Lula. Partidos como o PDT, que deu votos para o impeachment e apoiou a intervenção militar no Rio de Janeiro, e o PSB, que apoiou Aécio Neves, no segundo turno das eleições de 2014 e apoiou escancaradamente o golpe de estado que derrubou a presidenta Dilma Rousseff, que têm profundas relações com a burguesia, são agora apresentados como aliados dos trabalhadores e da esquerda. Utilizando o discurso de que é necessário “sair do isolamento”, setores abutres da esquerda nacional vêm fazendo uma defesa ferrenha de candidaturas que tenham como centro candidatos de tais partidos oportunistas.

Nacionalmente, já foi mais que desmascarada a operação para que Ciro Gomes fosse apresentado como o “substituto de Lula”. Os próprios gestos do pedetista, como a defesa de um dos principais representantes da FIESP como possível candidato a vice, declarações como as de que Lula não seria preso político e de que o País não suportaria mais um governo de esquerda, contribuíram para demonstrar seus interesses pró-golpe.

Em Pernambuco, uma operação também vem sendo feita para que o nome de Lula não seja citado sequer nas eleições. A direita e setores da esquerda golpista, como o PC do B, estão insistindo que o PT não lance candidatura própria e se alie ao PSB. A desculpa é a mesma: sair do isolamento. Contudo, não é o PT que está isolado – uma vez que Lula conta com milhões de apoiadores em qualquer lugar do País e ganharia as eleições com mais de 70% no seu Estado natal. Quem está isolado, na verdade, é o PSB, cujo governo é cada vez mais rejeitado pela população pernambucana e que foi abandonado pelo DEM, pelo PSB e pela Família Ferreira – grupos que sustentavam o governo do PSB no Estado de Pernambuco.

Nessas condições, o PSB de Pernambuco defendeu, pela primeira vez, que o partido feche aliança com o ex-presidente Lula na eleição presidencial, dois dias depois de o pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, visitar o estado e se encontrar com o governador Paulo Câmara (foto) e com a viúva de Eduardo Campos, Renata Campos.

Com esta medida, o PSB pernambucano quer chegar a um acordo com o PT nacional para tirar do páreo a candidatura da petista Marília Arraes, empatada com o governador “socialista”, candidato à reeleição.

O objetivo do PSB em procurar o apoio do PT não tem nada a ver com a defesa de Lula e com um suposto arrependimento de sua trajetória golpista. É mais uma tentativa da burguesia para tirar proveito da popularidade do ex-presidente, sem levar adiante nenhuma luta pela sua liberdade e realizar um estelionato de conquistar parte do eleitorado de esquerda para um candidato golpista e inimigo dos trabalhadores.