Um partido de militantes
A campanha eleitoral pode servir como demonstração das atividades partidária e como o partido e sua militância realizam o trabalho militante.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
atoforabolsonaro-ovfeec4mzn6kskndm3jpopxsqmttzbj5mr54bx2w4g
Atividade do PCO | Reprodução

Embora o Partido da Causa Operária (PCO) não alimente ilusões nas eleições, a campanha eleitoral pode servir como demonstração das atividades partidária e como o partido e sua militância realizam o trabalho partidário; afinal – para um partido revolucionário, as eleições servem apenas como uma tribuna, entre tantas.

O objetivo da intervenção do PCO, no entanto, não se resume ao trabalho e resultados eleitorais, mas a utilização do período eleitoral para denunciar o golpe, o caráter antidemocrático das eleições e para defender o programa do Partido – isto é, as reivindicações da classe operária.

Lançando mão dos Comitês Eleitorais de Campanha, o PCO busca agrupar em torno de si os setores mais conscientes e combativos. Diferente dos partidos burgueses, incluindo os da esquerda que pagam cabos eleitorais, gente para segurar bandeira e para ir aos atos, o PCO conta com a abnegação dos militantes e simpatizantes na tarefa da agitação e propaganda durante as eleições. A campanha de porta em porta, as panfletagens diárias, as colagens etc., todas as atividades do partido destacam a diferença entre um partido revolucionário e os partidos da esquerda pequeno-burguesa tipo o PSOL, PCB, UP e o PSTU, os quais não fazem nem o mínimo que um partido revolucionário deveria fazer. Apesar de sermos um pequeno partido de esquerda, temos demonstrado como se deve agir para mobilizar a população contra o regime golpista.

Inúmeras atividades são realizadas todos os dias pelo PCO. Em Blumenau, Santa Catarina, os companheiros estão indo de fábrica em fábrica para mobilizar os trabalhadores contra o golpe, apresentando o programa do partido e distribuindo material de campanha. As atividades, quando não são nas portas das fábricas, são nas portas das casas. A campanha gira em torno das palavras de ordem: fora bolsonaro; Lula presidente; trabalhador vota em trabalhador; quem bate cartão não vota em patrão.

Em Belo horizonte, os companheiros do PCO realizaram atividade na Feira Hippie Belo Horizonte, na segunda-feira, 2. Com faixas e materiais de campanha, os militantes conversaram com o público da capital mineira e colocaram as questões fundamentais da conjuntura política: a mobilização popular para a derrubada de Bolsonaro e a luta pela restituição dos direitos políticos do ex-presidente Lula.

No sul do país, em Porto Alegre, o candidato a prefeito Delvair, que vem sendo impedido de falar o que está engasgado na garganta da população nos debates [o fora, bolsonaro!] promovidos pela imprensa golpista, saiu às ruas com outros companheiros do partido num dia de panfletagens, venda do Jornal Causa Operária, e conversa com os trabalhadores.

Como em todas as eleições, o PCO e seus candidatos não se apresentam como postulantes ao cargo de administradores da massa falida do capital, nem tampouco reduz o debate político às tarefas de obras municipais, como tapar buracos, tratar da iluminação etc. A questão da luta política é a luta pelo poder político. Nesse sentido, não se trata de lançar um grande administrador. A tarefa de um partido revolucionário é agrupar as massas em torno de um programa revolucionário para avançar sobre os capitalistas que desmontam o Estado. Em última análise, é preciso mudar a correlação de forças e construir uma sólida base popular que dê apoio a qualquer governo que se defronte com os grandes capitalistas. Para isso, o PCO coloca como prioridade a mobilização popular para resolver os problemas fundamentais das cidades e do campo do ponto de vista dos interesses dos trabalhadores e do conjunto dos oprimidos.

Com uma campanha de apenas 45 dias, e sem tempo no horário eleitoral do rádio e televisão, as eleições deste ano são ainda mais antidemocráticas que as últimas. Enquanto os partidos parlamentares, principalmente os partidos tradicionais da direita deleitam-se da concessão do regime antidemocrático, o PCO sai às ruas com o mesmo programa que havia formulado para a crise da pandemia e a crise econômica, o que revela uma completa coerência e continuidade da linha política do partido e sua práxis.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas