Siga o DCO nas redes sociais

Não ao golpe militar
PCO participa de ato em Paris e pede o “Fora Bolsonaro”
No dia 12 de novembro, militantes do PCO participaram de mobilização contra os ataques do governo Bolsonaro aos indígenas
pco europa
Não ao golpe militar
PCO participa de ato em Paris e pede o “Fora Bolsonaro”
No dia 12 de novembro, militantes do PCO participaram de mobilização contra os ataques do governo Bolsonaro aos indígenas
Faixa no ato na França. Foto: Facebook
pco europa
Faixa no ato na França. Foto: Facebook

No dia 12 de novembro, militantes do Partido da Causa Operária (PCO) participaram, em Paris, da marcha “Sangue indígena: nenhuma gota a mais”. A marcha foi encabeçada por uma delegação que está percorrendo 12 países da Europa durante 35 dias para denunciar os ataques do governo Bolsonaro ao povo indígena e à Amazônia.

A marcha teve início em frente ao à Place de La Bourse (Praça da Bolsa de Valores) às 15h, sob forte chuva de granizo. Por volta das 17h, a marcha chegou à sede do Banco BNP, onde teve fim. Os representantes dos povos indígenas explicaram, em suas falas, que o BNP financiam projetos e, portanto, são cúmplices das mortes dos povos indígenas e da destruição da Amazônia.

O ataque aos indígenas e aos sem-terra, bem como o saque generalizado das riquezas e a destruição do patrimônio nacional na região amazônica, embora seja uma política de toda a burguesia de conjunto, se intensificou bastante com a ascensão do fascista Jair Bolsonaro. Como Bolsonaro ganhou projeção no regime político a partir de sua base de extrema-direita, formada por setores da classe média, policiais e latifundiários, o presidente ilegítimo resolveu dar “carta branca” para que os golpistas explorassem a região de maneira devastadora, de modo que os incêndios mais recentes na Amazônia causaram uma crise de proporções intercontinentais.

A crise gerada pelas queimadas da Amazônia abriu a oportunidade para que as aves de rapina do imperialismo, como o presidente francês Emmanuel Macron, criassem condições para aumentar a ingerência do imperialismo europeu sobre a região. No entanto, essa política não deve ser reverberada pela esquerda e pelos trabalhadores. O imperialismo dizimou centenas de florestas em todo o mundo, causou duas guerras mundiais e o próprio Macron destruiu um dos mais importantes patrimônios culturais da Europa, a Catedral de Notre-Dame. Portanto, permitir que os agentes do imperialismo resolvam a situação da Amazônia não é nenhuma solução – muito menos os ataques aos índios, uma vez que foram os próprios europeus que dizimaram cententas de milhares de índios na América Latina.

A única saída para que os trabalhadores combatam a destruição da Amazônia e o ataque aos índios é por meio da mobilização contra a extrema-direita. Por isso, é preciso organizar comitês de autodefesa no campo e derrubar o governo Bolsonaro, que é o grande promotor dessa política no Brasil.

No ato do dia 12, os militantes do PCO levaram a sua faixa de “Fora Bolsonaro”, mostrando que a luta em defesa dos povos indígenas está diretamente relacionada com a derrubada dos golpistas.