PCO lança candidatos em quase todo o País para lutar contra o golpe e defender um governo dos trabalhadores

lula-Adonis-GuerraSMABC

Em dois terços dos Estados brasileiros, o Partido da Causa Operária (PCO), realizou reuniões e Conferências partidárias na última semana reunindo militantes, filiados e simpatizantes e expressando um significativo crescimento partidário e a evolução política do Partido, como resultado de sua luta política, destacadamente, contra o golpe de estado, decidiu pelo lançamento de candidatos próprios do Partido, de deputados a governadores, ao mesmo tempo que referendou o apoio incondicional à candidatura presidencial da maior liderança popular do País, Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Eleições ou fraude?

 

O Partido tem clareza que estamos diante de um processo eleitoral dominado pelo regime golpista que pretende fazer das eleições uma fraude total, sem a participação de Lula, que sirva apenas para referendar a “escolha” feita pelo imperialismo – com apoio dos seus servos da direita brasileira – de um novo carrasco do povo brasileiro, que aprofunde a política golpista de ataque ao povo brasileiro e de destruição da economia nacional em favor dos monopólios norte-americanos e consorciados.

O PCO decidiu apoiar Lula, por ser ele o ponto de aglutinação dos que lutam contra o golpe. Em torno da luta pela sua liberdade e na defesa de sua candidatura está estabelecida, de fato, uma verdadeira frente única de luta contra o golpe, uma vez que ele é o único com autoridade para unir esse movimento de luta contra os golpistas e de derrotá-los. O PCO não participa da coligação em torno do candidato do PT, não apoio em função de acordos ou compromissos bilaterais. Trata-se de um apoio incondicional, ou seja, que o Partido não colocou qualquer condição para apoiar Lula, não esperando e nem pedindo nada em troca; sem ganhar nada, tendo como único objetivo fazer avançar a luta contra o golpe; essencial para defender quaisquer reivindicação fundamental para os trabalhadores.

Defendendo a liberdade de Lula e defendendo que é Lula ou nada! o PCO vai participar os processo eleitoral tendo como
base seu próprio programa, um programa de independência de classe que tem como eixo central a luta por um governo dos trabalhadores da cidade e do campo, sem partidos burgueses, sem patrões e sem golpistas.

 

O PCO cresce na luta contra o golpe

Em todos os Estados onde está organizado, o Partido vai usar as eleições para dizer a verdade: que estamos diante de uma grave crise, que não poderá ser enfrentada e resolvida – do ponto de vista dos explorados – por meio das eleições fraudulentas que estão sendo organizadas; que o centro da crise é o golpe que precisa ser derrotado para defender os interesses da imensa maioria do povo brasileiro.

Assim o PCO não participa do processo eleitoral para apresentar projetos mirabolantes prometendo resolver esse ou aquele problema da população pobre, quando nada, absolutamente nada de importante será resolvido sem que se ponha abaixo o regime golpista dominado por entreguistas, capachos do imperialismo que estão entregando toda a riqueza nacional (do petróleo à água) e fazendo retroceder como nunca as condições de vida do povo brasileiro, para satisfazer os apetites dos tubarões imperialistas diante da crise mundial do capitalismo. E o Partido vai dizer claramente que isso só será possível por meio de uma mobilização revolucionária.

Nas eleições e fora delas, o PCO que se destacou como representante de uma vanguarda política da luta contra o golpe, que continuar impulsionando a unidade dos setores que lutam contra o golpe, e o avanço da sua organização independente da burguesia e dos seus partidos. Vai defender um programa de luta apoiado por uma parcela cada vez mais ampla de ativistas que vêm realizando uma importante experiência política e esgotando ilusões no regime atual e na política de colaboração de classes levada adiante pela maioria da esquerda.

Com esta política os candidatos do PCO chamaram a juventude, os trabalhadores e demais explorados a se agruparem no Partido, nos Comitês de Luta e demais organizações de luta contra o golpe para impulsionar a necessária mobilização revolucionária, para libertar Lula, a marchar com Lula até o fim, proclamando em alto e bom som: é Lula ou nada! e para defender um governo dos trabalhadores da cidade e do campo.

 

Nossos candidatos

As Conferências do PCO deliberam pelo lançamento de mais de 150 candidatos, em 18 Estados.

Os candidatos do PCO são trabalhadores e jovens estudantes que participam ativamente da luta contra o golpe de estado, construindo comitês, organizando atos, colagens, panfletagens. Ao lado de um punhado de experientes militantes construtores do Partido, há muitos novos militantes que vão participar das eleições pela primeira vez como candidatos.

São candidaturas operárias e socialistas em defesa de um governo operário e camponês e das reivindicações essenciais de todos os setores dos explorados. São ativistas das lutas das mulheres, dos negros, da juventude, dos sem terras, de diversas categorias operárias como metalúrgicos e trabalhadores dos correios, e classe trabalhadora em geral, como professores, servidores públicos, bancários etc.

Destacamos abaixo alguns dos candidatos do Partido em todo o País.

 

Região Sul

No Sul do País, o PCO lanço candidatos para todos os cargos em disputa em todo os Estados.

No Rio Grande do Sul, o PCO terá como candidatos a governador e vice, os companheiros Paulo Medeiros, trabalhador aposentado, e Jeferson Mendes. Para o senado, o candidato é o companheiro Luiz Delvair, trabalhador anistiado dos Correios.

Em Santa Catarina, o candidato do PCO ao governo é formada pelos companheiros Angelo Castro, funcionário público, e Flávio Amaral, economista. A candidata ao senado será a companheira Andrea Carvalho (foto à direita)

Na “República do Paraná“, onde o juiz fascista e a direita levaram e levam adiante uma perseguição implacável ao ex-presidente Lula e aos direitos democráticos de todo o povo brasileiro, a chapa majoritária do Partido da Causa Operária tem como
candidato ao governo a companheira Priscila Cristina Ebara, professora e jovem liderança local das mobilizações contra o golpe e em defesa da liberdade de Lula. Seu vice, o companheiro Hallyson Coutinho. Para o Senado, o PCO terá como candidato o professor Gilson Mezaroba, da rede estadual, da corrente Educadores em Luta.

 

Região Sudeste

Como candidato ao governo de São Paulo, a maior concentração operária do País,  o PCO lançou o companheiro Edson Dorta, carteiro, integrante da direção nacional do PCO, ex-secretário-geral da Federação Nacional dos Trabalhadores dos Correios (Fentect). Sua vice, será a companheira Lilian Miranda, professora da rede estadual, integrante da coordenação da corrente Educadores em Luta.

O candidato ao Senado em SP será o companheiro Nivaldo Orlandi, servidor aposentado, coordenador do Comitê de Luta Contra o golpe de Embu e região.

Encabeçando a chapa de candidatos a deputado federal do PCO no Estado está o companheiro Antonio Carlos Silva, professor da rede estadual, membro da direção nacional do PCO e da coordenação de Educadores em Luta, uma das principais lideranças na luta contra o golpe de estado em todo o País. O Partido lanço candidatos de diversas regiões do Estado, impulsionadores dos comitês de luta contra o golpe e organizadores da mobilização pela liberdade de Lula.

No Rio de Janeiro, o PCO terá como candidato a governador o operário metalúrgico Luiz Eugenio Honorato, anistiado da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), de Volta Redonda, que participou das gloriosas lutas da categoria na décadas de 80 e 90. Seu vice será Joaquim Augusto nogueira neto. Para o senado o Partido lançou o professor universitário, Fernando Fagundes, da UFF, campus Niterói, integrante da direção nacional do PCO.  

Em Minas Gerais, o candidato ao governo do PCO será Alexandre Domingues, advogado trabalhista, coordenador do Comitê de Luta contra o golpe de Belo Horizonte e zebro da direção nacional do PCO.

A chapa mineira está formada também pelos companheiros Sebastião de Oliveira Pessoa, como vice, e Ana Paula Saliba, como candidata ao Senado.

 

Região Centro-Oesete

 

No Distrito Federal, o PCO também lançou chapa própria com destacados ativistas da Luta Contra o Golpe, que judiaram a fundar uma dos primeiros Comitês de Luta Contra o Golpe e contra a prisão de Lula do País (há quase dois anos). Encabeçando a chapa está o companheiro Renan Arruda, no centro da foto, ao lado do vice, Gilson Dobbin. Renan é bancário do Banco do Brasil e diretor do Sindicato dos Bancários de Brasília e Gilson é servidor do legislativo federal.

O candidato ao Senado será o companheiro Danilo Macedo, arquiteto, servidor público e coordenador-geral licenciado do Sindicato dos Arquitetos do DF. A chapa de deputados federais e distritais está formadas por dezenas de ativistas das lutas dos sem terras, dos professores, dos servidores públicos etc. À frente da chapa estão os companheiros Ricardo Machado, diretor da CUT-DF e membro da direção nacional do PCO (como deputado federal) e Expedito Mendonça, servidor federal da saúde, diretor do Sindsep-DF (como deputado distrital).

O PCO também terá candidatos majoritários em Goiás. Para o governo a candidata será a professora Alda Lucia Monteiro, tendo como vice o companheiro José Geraldo da Silva. Para o Senado, o candidato será Alessandro Aquino Cirqueira.

O Partido lançará candidatos a deputados federais e estaduais em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso.

 

Região Nordeste

 

Na Bahia, o PCO lança como candidato ao governo, o companheiro Orlando de Jesus, carteiro, negro, da corrente Ecetistas em Luta, ca cidade de Feira de Santana. Seu vice será o companheiro Silvano Alves de Souza, taxista, da capital baiana. Para o senado o candidato será o professor Aldroaldo Oliveira, da Universidade Estadual da Bahia. Todos eles militantes dos comitês de luta contra o golpe de suas cidades.

O professor Melquezedeque Farias, é o candidato a governador de Alagoas, tendo como vice o companheiro Élcio Lins. Para o senado o Partido terá como candidata a companheira Flavia Pires de Melo e uma chapa de candidatos  a deputados integradas por jovens militantes organizadores da luta contra o golpe naquele Estado.

Em Pernambuco a chapa do PCO também terá ã frente uma mulher, a agente de saúde, Ana Patricia Alves, tendo como vice Gilson Lopes de Oliveira. O candidato ao senado será o companheiro Alex Lima Rola. O Estado conta com um crescente numero de comitês de luta contra o golpe e o jovem Victor Assis da Silva  (na foto ao lado de Ana Patricia) liderança dessa mobilização na região encabeça a lista de candidatos a deputado, como deputado federal.

O professor da rede pública, Mikaelton Carantino, diretor do APEOEC, é o candidato do Partido ao governo do Ceará. O vice será o bancário aposentado Lino Alves de Almeida. O candidato ao senado será o companheiro Alexandre Barroso da Silveira.

No Piauí,  a companheira Lourdes Melo é a candidata do PCO ao governo. Destacada liderança da luta contra o golpe no Estado, Lourdes é professora pública e tem como vice o companheiro Cloves dos Santos. A chapa também conta com outra professora estadual, a companheira Albetiza Moreira, candidata ao Senado Federal.

O Partido da Causa Operária terá candidatos a deputados também nos Estados do Rio Grande do Norte e Maranhão.