Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Supporters of Brazil's former president Luiz Inacio Lula da Silva demonstrate to demand Lula's freedom on the one-year anniversary of his arrest, in Sao Paulo, Brazil, April 7, 2019. REUTERS/Amanda Perobelli
|
Em reunião ampliada do seu Comitê Nacional, o Partido da Causa Operária (PCO), bem como a coordenação nacional dos Comitês de Luta Contra o Golpe e pela Liberdade de Lula, deliberam nesse último fim de semana a data de 14 de setembro para a realização, em Curitiba, do ato nacional pela anulação dos processos criminosos da Lava Jato e pela liberdade imediata do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Os acontecimentos dos últimos dias, com a tentativa de transferência de Lula para um presídio no interior de SP – colocando em ameaça sua vida – e a decisão do plenário do STF de manter sua prisão ilegal, sem marcar data para julgar a suspeição do ex-juiz e atual ministro golpista Sérgio Moro, evidenciam a importância central que continua tendo na situação política – marcada pelo avanço da crise política e econômica – a prisão de Lula, peça fundamental do golpe de Estado iniciado com a campanha para derrubar Dilma Rousseff, seguida da sua derrubada por meio do impeachment fraudulento, em 2016.

Reconhecido pelas principais de luta dos trabalhadores do campo e da cidade e por amplos setores das massas como seu representante político, Lula é um elemento permanente de polarização e crise frente ao governo golpista e sua política neoliberal servil aos EUA.

O regime golpista está organizado para manter Lula preso a qualquer custo, passando por cima – como já fez inúmeras vezes – de direitos fundamentais e atropelando todos os procedimentos jurídicos normais. Para isso, além do pisoteamento jurídico da Constituição, não faltou ameaça de golpe militar, feita pelo militares e todo tipo de ação criminosa, como se comprova com os vazamentos da operação lava jato.

Nesse momento, em que há um significativo avanço da crise econômica e da crise politica, com o crescimento do repúdio popular contra o governo ilegítimo de Jair Bolsonaro, em que avançam os ataques do regime direitista contra os trabalhadores (aprovação da “reforma” da Previdência, aumento da repressão etc.) a mobilização em torno da liberdade de Lula é uma questão-chave para levantar um movimento de luta dos explorados contra o regime golpista. Por isso mesmo a enorme pressão da direita contra qualquer iniciativa nesse sentido e a completa capitulação da esquerda burguesa e pequeno burguesa, se opondo a realizar uma efetiva mobilização (que vá além dos discursos inúteis no Congresso e postagens na internet. Isso quando não se colocam claramente contra a defesa de Lula, com o argumentos reacionários como os de que “a defesa de Lula não unifica os progressistas”, ou seja, não unifica com os setores golpistas e reacionárias que apoiaram o golpe, votam a favor dos ataques contra os trabalhadores (como nas “reformas” trabalhista e da Previdência) e, obviamente, são favoráveis a que Lula apodreça na cadeia.

A realização de mutirões nos últimos fins de semana, levantando mais de 120 mil assinaturas e com a participação de centenas de militantes em todas as regiões do País, entre outros sintomas, evidencia a suposição presentes enter uma parcela crescente do ativismo de superar a paralisia das direções da esquerda.Esse é um dos objetivos centrais da convocação para o ato.

O momento é propício para as mobilizações contra a direita golpista que persegue Lula. Há uma enorme disposição a reagir no meio da população, como demonstraram os atos de maio e junho, contra os ataques do governo e pelo “fora Bolsonaro”, nos quais os gritos em favor da Liberdade de Lula era os que tinham maior apoio entre os participantes.

O PCO e os Comitês – como já vêm fazendo – vão se dirigir à toda esquerda, aos Comitês Lula Livre, sindicatos e a todos os movimentos de luta dos explorados para propor a unidade em torno da defesa de Lula, chamando-os a organizarem juntos essa mobilização e fazê-la vitoriosa. A própria data marcada, visa criar melhores para uma ampla mobilização, inclusive, considerando o calendário de atividades importantes já marcadas pela esquerda, como os atos desse dia 13 e 14 de agosto (greve nacional da Educação, atos nacionais, Marcha das Margaridas) as convenções municipais do PT, Grito dos Excluídos etc..

Agora é arregaçar as mangas, ampliar a inscrições para as caravanas de todo o País para o ato (já há centenas de inscritos pelos mutirões), levantar os recursos necessários etc.

Dia 14 de setembro, todos à Curitiba, pela anulação dos processo fraudulentos da Lava Jato. Pela imediata libertação de Lula e de todos os presos políticos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas