Pistoleiros ameaçam família de liderança indígena Maraguá no Amazonas

marágua

Os indígenas Maraguá que vivem na comunidade Terra Preta, município de Nova Olinda do Norte, estado do Amazonas, estão sofrendo com as constantes ameaças de pistoleiros contratados por latifundiários e mineradoras que estão invadindo as terras indígenas. O Conselho Indigenista Missionário (CIMI) está denunciando que no dia 16 de agosto, pistoleiros foram até a casa do cacique-geral do povo indígena Maraguá e encontraram os filhos mais novos do cacique e deixaram a ameaça de “ou ele para de fazer o que está fazendo ou vai ver o que é bom”.

As ameaças de morte deixam claro que estão dispostos, inclusive, de atacar seus familiares para impedir a defesa dos indígenas contra as invasões dos latifundiários e mineradoras. A situação é extremamente grave, pois há uma enorme campanha dos latifundiários contra os indígenas, que estão se aproveitando da ação de grupos fascistas, como o que ocorreu na fronteira com a Venezuela no município de Pacaraima (RR), para atacar os indígenas Maraguá.

A imprensa ligada aos latifundiários está tentando colocar a população contra os indígenas, enquanto latifundiários e mineradoras invadem as terras indígenas e cometem as maiores atrocidades contra a população Maraguá.

Os indígenas estão recebendo dezenas de ameaças de morte e são impedidos de se movimentar em suas terras, caçar e pescar para sobreviver, pois estão sendo ameaçados por esses grupos fascistas e de pistoleiros contratados pelos latifundiários.

A direita golpista está se aproveitando do agravamento da crise política para estimular grupos fascistas e a imprensa golpista para atacar estrangeiros, indígenas sem-terra e a esquerda em geral para agrupar essa direita e reprimir a população.

Com isso, fica cada vez mais clara a necessidade de formação de comitês de autodefesa contra a formação de grupos fascistas, grupos de pistoleiros e da ofensiva de latifundiários contra os movimentos de luta pela terra.