Siga o DCO nas redes sociais

PCdoB: frente com os partidos que garantem governabilidade a Bolsonaro
Carlos-Lupi-Ciro-Gomes-e-Flávio-Dino
PCdoB: frente com os partidos que garantem governabilidade a Bolsonaro
Carlos-Lupi-Ciro-Gomes-e-Flávio-Dino

O presidente do PCdoB-MG afirmou em sua coluna no Portal Vermelho que a esquerda precisa se unir numa frente política ampla com o centro – o que inclui o partido golpista PSDB, base bolsonarista -, utilizando o principal argumento de que “O Brasil precisa urgentemente construir uma frente política ampla, com a esquerda e o centro, sem hegemonismos partidários e pessoais, com todos aqueles interessados em defender a democracia, o desenvolvimento nacional e os direitos do povo. A unidade ampla é o único caminho para derrotar o fascismo e abrir caminho para um futuro com democracia, desenvolvimento, justiça e uma vida digna para cada brasileiro.”

Esse argumento é totalmente falho, principalmente porque essa democracia que ele cita, é a democracia burguesa, que aglutina práticas que vão contra a população. Não somente, fica óbvio que o PCdoB não quer derrubar o governo Bolsonaro – nem sequer chama o Fora Bolsonaro -, mas apenas fazer uma “resistência” nas aparências, via instituições burguesas e aliança com os partidos da burguesia para manter Bolsonaro na linha, isto é, ajudá-lo a governar.

Quando ele cita a frente ampla com o centro, se esquece de dizer que esses partidos, como o PSDB, são base indispensável do governo Bolsonaro, que apoiam o golpe e a política de exploração da classe trabalhadora, como visto na votação da Reforma da Previdência. Mais uma vez a esquerda pequeno-burguesa capitula diante das táticas da burguesia, caindo em vacilações.

Nessas afirmações, ele aponta a vontade do PCdoB em afundar cada vez mais a população num abismo sem volta. Qualquer frente com os partidos do centro, que apoiaram em massa a Reforma da Previdência, como ele mesmo cita em seu texto quando afirma que “O centro político, que na esfera institucional é representado por partidos que no Congresso Nacional têm se unido à esquerda e impedido os atropelos de Bolsonaro na agenda conservadora, é o mesmo que tem sido fundamental no tramite da agenda econômica, especialmente a reforma da Previdência”, possui chances de nulas de efetivar uma luta concreta contra a política neoliberal do governo Bolsonaro.

Somente o povo nas ruas e a esquerda unida com a classe trabalhadora que vão conseguir barrar as ofensivas neoliberais que o governo bolsonarista, de extrema-direita, quer empurrar para a classe trabalhadora.