PCB diz que é dever de todo “comunista” ir às ruas com o PSDB dia 29

bolsonaro e alkmin

Da redação – O movimento #elenão, criado pela direita brasileira, a fim de que a candidatura do fascista Jair Bolsonaro seja parcialmente esvaziada, e seus votos sejam transferidos em parte para Geraldo Alckmin, ganha corpo no Brasil.

Impulsionados pelos artistas da golpista Rede Globo de Comunicações, os organizadores da campanha marcaram atos em todas as capitais do país para o dia 29 de setembro, contra a candidatura de Bolsonaro. O ato contará com a presença de várias organizações de direita no Brasil, a começar por golpistas do PSDB (Partido Social Democrata Brasileiro) e do DEM (Democratas).

A mais nova adesão ao movimento é o Partido Comunista do Brasil (PCB), que em sua página na internet fez uma convocação “aguerrida” para seus militantes e trabalhadores em geral, a fim de participar dos atos de rua do dia 29 de setembro, como sendo uma cruzada nacional suprapartidário contra o fascismo.

O que o PCB não diz em sua convocação é que a cruzada contra Jair Bolsonaro, que representa o fascismo no Brasil, tem como parceiros os fascistas do PSDB, como Geraldo Alckmin, ou do PP de Ana Amélia, a vice de Alckmin que depois do atentado realizado no sul do país contra a caravana de Lula disse que o ex-presidente mereceu.

O PCB, como várias organizações da esquerda pequeno-burguesa do Brasil, que foram solidários com Jair Bolsonaro no episódio da suposta facada, agora se junta com a direita brasileria que na prática realiza em seus governos, como o de São Paulo, ações fascistas contra o povo, para “lutar contra o fascismo”.

Inclusive servindo de fiador de um ato da direita, com objetivos puramente eleitorais.

É importante lembrar que durante as mobilizações de rua no país, realizadas pelos movimentos sociais como a CUT, MST, partidos de esquerda como o PT, PCdoB e PCO, para combater o golpe de Estado, o PCB alegou por diversas vezes que não participaria porque se tratava de atos de conciliação de classes. Mas participar do ato do dia 29 de setembro com grupos da direita nacional, que possui caráter fascista, como o grupo do PSDB que apóoia Geraldo Alckmin, não seria conciliação?

Participar do Ato do dia 29, organizado pela direita, antes do primeiro turno das eleições, contra Bolsonaro, junto com toda direita nacional, é simplemente para embelezar todos da direita que não forem Bolsonaro.

O PCB que até hoje não viu golpe de estado no Brasil, quer que os comunistas ajudem o PSDB, é necessário denunciar mais essa manobra da direita golpista no país.