PC do B boicota ato em Recife para favorecer PSB

Governador Paulo Câmara recebe o ex-ministro Ciro Gomes16

Na última sexta-feira, passou a vigorar, em toda a Região Metropolitana do Recife, o aumento da tarifa do metrô. A tarifa, que antes custava R$ 1,60, sofreu um aumento brutal, atingindo R$ 3,00 da noite para o dia. Diante de mais esse abuso provocado pelo golpe de Estado, sindicatos e organizações de esquerda convocaram um ato, na manhã da sexta-feira, para denunciar o aumento abusivo imposto pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). O PC do B, no entanto, não participou do ato.

O boicote do PC do B ao ato, no entanto, não se deu apenas pela ausência de seus militantes e de suas bandeiras no ato. Tampouco se deu apenas pelo fato de o partido abutre não ter convocado o ato – o que, em geral, é um comportamento do comum do PC do B. O boicote se tornou claro a partir do momento em que os abutres convocaram um ato no mesmo dia e no mesmo horário em que o ato contra o aumento da tarifa do metrô – um ato do Sindicato dos Professores de Pernambuco (Sinpro-PE), controlado pelo PC do B.

O interesse em boicotar o ato contra o aumento da tarifa do metrô não é um ato isolado, mas sim parte da operação abutre do PC do B em garantir a reeleição do governador Paulo Câmara, do PSB. O PC do B é o maior defensor, dentro das organizações de esquerda, de uma aliança de toda a esquerda – incluindo o PT – com o PSB no Estado de Pernambuco. Mesmo a base do Partido dos Trabalhadores tendo se colocado veementemente contra o governo do PSB, o PC do B tem feito, até agora sem sucesso, uma intensa campanha em favor do partido da Família Campos.

Embora o aumento da tarifa do metrô esteja relacionado a um órgão federal, o governador de Pernambuco tem total responsabilidade nessa questão. Afinal, a CBTU apenas aumentou a tarifa porque a Urbana-PE (“sindicato” dos empresários do transporte protegidos pelo PSB) tem sonegado mais de R$ 60 milhões que deveriam ser repassados à companhia de trens.