Amapá representa o Brasil.
A situação de desemprego do estado reflete o que está ocorrendo no país.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
macapa
Cidade de Macapá, capital do estado de Amapá | Foto: Reprodução/DuckduckGo

O Amapá é o espelho do Brasil. A situação do estado reflete o que está ocorrendo no país. O desemprego desencadeado, somado à crise capitalista e da pandemia juntamente ao desinteresse dos governos capitalistas de atenderem as necessidades dos trabalhadores, intensificam as condições de pobreza que a população em geral vem sofrendo.

No caso do Amapá, que deve ser visto como uma retratação íntegra no Brasil, dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Econômica, No 2º trimestre deste ano, em meio à pandemia, foram 1.066 demissões a mais que contratações. No ano passado, estado fechou com saldo positivo de 352 postos de emprego. Todos os meses de 2020, inclusive janeiro e fevereiro, registraram mais desligamentos do que contratações no estado.

Isso demonstra o que foi dito na reunião recente do Bolsonaro, em que o Guedes afirma que é preciso salvar os grandes empresários e não setores menores da burguesia. No final das contas, quem paga pelo maior prejuízo são os trabalhadores, principalmente setores analisados do relatório da Caged: Comércio, construção civil, transporte, armazenagem e correio, dentre outros. Neste sentido, não há um planejamento político dos governos burgueses ao qual protege os desempregados. Todos esses demitidos não serão assistidos pelo Estado e serão movidos à sorte diante do alastramento do coronavírus. Enquanto que a burguesia recebe de mão beijadas, mais de 1 trilhão do governo Bolsonaro, juntamente com retiradas de direitos trabalhistas com o apoio do centrão.

Por conta disso, é preciso que a CUT, a única central sindical do país, juntamente com suas subsedes, principalmente a do Amapá, comprometam-se com as deliberações da plenária nacional da Frente Brasil Popular e da Frente Povo Sem Medo, em que consiste de realizar uma plenária virtual no dia 13 de junho, para discutir um plano de lutas contra o desemprego tanto no Amapá como no país inteiro. Consoante a isso, é preciso impulsionar a questão da diminuição da jornada sem diminuição de salários.
Além da realização desta plenária virtual, neste mesmo dia, 13 de junho, realizar manifestações para mobilizar presencialmente todas essas questões, com a participação massiva dos operários da plenária virtual.

O PCO, no 1º de maio, comprova que é possível organizar-se presencialmente. Se um partido pequeno, ao qual mais cresce segundo o próprio TSE, conseguiu organizar um ato organizado no ato tradicional dos trabalhadores, a CUT tem toda condição política e econômica para organizar não somente plenárias mas também grandes atos em que defendam essas medidas urgentes no combate ao desemprego.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas