Patrões agradecem reforma trabalhista: bancos sofreram 62% menos ações trabalhistas em 2018

carteira-de-trabalho-fgts-farol-blumenau

Da redação – O primeiro semestre de 2018 teve 62% menos ações contra bancos (15,6 mil) em relação ao mesmo período do ano passado (40,8 mil ações). O setor é um dos que lideram o número de reclamações trabalhistas e a única explicação para a queda no número de ações são os obstáculos processuais ao trabalhador criados pela Reforma Trabalhista.

Interessante salientar que todas as ações trabalhistas sofridas pelos bancos têm o valor incluso nas altas “taxas bancárias administrativas” que, no ano passado eram de 16% do Indicador do Custo de Crédito (ICC), segundo dados do Banco Central. Apesar da queda de ações em 2018, esta redução não se refletiu nas taxas cobrados pelas instituições financeiras que, portanto, aumentaram sua taxa de lucros esse ano.