Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Paulo Ganime
|

O regime golpista está caminhando em direção à beira do penhasco. A destruição da economia nacional, os ataques ao ensino público, a truculência contra os movimentos sociais do campo e da cidade, o desmantelamento das empresas públicas, a tentativa de impor o roubo de bilhões da Previdência etc. elevaram profundamente o descontentamento popular. A agudização desta crise ameaça levar o regime a um colapso sem precedentes. Embora a bússola dos golpistas esteja calibrada para levá-los ao arremate, certos setores têm buscado dar-lhes a sustentação necessária para que, ao menos, alguns objetivos sejam alcançados.

Nesta quarta-feira (1), em evento do Dia do Trabalhador, Paulinho da Força (Solidariedade), afirmou que ele e todo o “centrão” está trabalhando para fazer uma reforma da previdência “que não garanta a reeleição” de Bolsonaro. O que configura um apoio escancarado à “reforma” e ao próprio regime golpista, compactuando com o objetivo dos grandes capitalistas de levar o povo a miséria em detrimento do enriquecimento dos banqueiros.

Outro apoiador declarado desta política é o deputado Paulo Ganime (Novo). Em entrevista ao portal de notícias O Antagonista, Ganime afirmou que a articulação em torno da aprovação dessa “reforma” já circula pelos bastidores do Congresso há pelo menos um mês. O deputado do Partido Novo chegou a escrever no próprio Twitter: “Votei no João Amoêdo e adoraria tê-lo como presidente. Mas agora torço para que o Jair Bolsonaro faça um excelente mandato e trabalho para que o Brasil esteja muito forte em 2022, mesmo que isso resulte na sua reeleição.”

O posicionamento dos ditos “liberais” revela o caráter bolsonarista desses apoiadores do golpe. Está mais que claro que, o Partido Novo, o MBL, o Instituto Mises e o Instituto Liberal são amplamente favoráveis ao regime golpista. Os Institutos, inclusive, participaram do documentário sobre 64, onde rasgaram elogios favoráveis a ditadura militar. Em relação ao Partido Novo, sabe-se que de novo nada tem. A grande tarefa do Partido Novo ao lançar João Amoedo era de retirar votos do Bolsonaro para garantir a vitória do candidato do imperialismo, Geraldo Alckmin (PSDB), no que foi mal sucedido.

Em relação aos “liberais”, é a velha cantilena dos boçais anacrônicos adeptos do capitalismo da época de Adam Smith, onde o capitalismo estava em pleno vigor, gozava de sua fase democrática e permitia a livre circulação de mercadorias. Hoje, portanto, trata-se do imperialismo, a fase superior do capitalismo, a qual não permite a livre circulação de mercadorias. Nas condições atuais, quem controla o mercado são os grandes monopólios. O mundo, porém, se encontra partilhado entre as grandes potências, entre as associações dos capitalistas monopolistas. A política “liberal” consiste, em todo caso, na base de pavimentação para os regimes autoritários e de caráter fascista.

Por mais que o governo golpista caminhe por conta própria em direção à ruína, ele não sucumbirá por conta própria; tampouco será combatido pelo dito “Centrão” ou por qualquer via institucional. É preciso organizar as massas para formar um movimento coeso, capaz de liquidar todo o regime golpista. Para isso, é – fundamental – que Lula seja libertado, pois, é o único capaz de aglutinar as massas e promover uma mudança na correlação de forças entre a população e os golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas