Paraíso do Tuiuti retrata história de Lula com paralelismo de bode nordestino na Sapucaí

tuiuti

Da redação – Na madrugada desta terça-feira (5), a partir de 1h35, a Paraíso do Tuiuti irá repetir mais uma vez, de forma diferente, a façanha de trazer um posicionamento político para a Marquês de Sapucaí, com o enredo “O Salvador da Pátria”.

A letra é inspirada na história de Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-presidente do Brasil que hoje é preso político da direita golpista e trata, de forma poética, dos dois momentos marcantes de sua vida: sua jornada de retirante e sua eleição à Presidência como expressão da vitória do povo.

Segue a letra:

“Do nada um bode vindo lá do interior

Destino pobre, nordestino sonhador

Vazou da fome, retirante ao Deus dará

Soprou as chamas do dragão do mar

(…)

Ora meu patrão!

Vida de gado desse povo tão marcado

Não precisa de dotô

Quando clareou o resultado

Tava o bode ali sentado

Aclamado o vencedor”

 

O carnavalesco da escola, Jack Vasconcelos, afirmou: “Vocês que fazem parte dessa massa irão conhecer um mito de verdade: nordestino, barbudo, baixinho, de origem pobre, amado pelos humildes e por intelectuais, incomodou a elite e foi condenado a virar símbolo da identidade de um povo. Um herói da resistência!”. E mais, a escola revelou que o tal bode da letra, é um paralelismo com o bode Ioiô, personagem real de Fortaleza, da história popular que se propaga nas ruas, nas festas, no carnaval. Este foi um retirante que fugiu de uma grande seca no interior cearense, em 1915, descrito como carismático e popular, virou Ioiô pois perambulava pelas ruas da capital, fazendo diariamente o mesmo trajeto de ida e volta – da Praia do Peixe (hoje Praia de Iracema) à Praça do Ferreira. Conquistou poetas e intelectuais, levando uma vida boêmia regada a muitas doses de cachaça, lembrando muito a vida de muitos nordestinos que sofrem nas condições de decadência do capitalismo e com foi a vida de Lula. Assim, após tempo, convivência, experiência, Ioiô foi eleito para a Câmara de Vereadores, em 1922, porém, como a política é controlada pela burguesia desde tempos imemoriais, levou um “golpe” da “burguesia fortalezense” e teve sua eleição impugnada.

É assim que a Paraíso do Tuiuti, com os compositores láudio Russo, Moacyr Luz, Dona Zezé, Jurandir e Aníbal, trabalha entre o bode e Lula.