Neoliberalismo destrói o país
Várias organizações sindicais e sociais, tais como professores, alunos, transportes, serviços e domésticas, se manifestaram no microentro de Ascent.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
pagauai
Forte repúdio dos paraguaios contra a política neoliberal | Foto: Resumen latinoamericano

Várias organizações sindicais e sociais, tais como professores, alunos, transportes, serviços e domésticas, se manifestaram no microentro de Ascent, região central de Assunção (Paraguai), contra os dois anos de governo de Mario Abdo Benítez e seu plano econômico neoliberal. Eles também pediram a renúncia do Ministro da Fazenda, Benigno López, e criticaram o plano de recuperação econômica, denunciando que não responde aos interesses da maioria do povo e que irá escravizar as futuras gerações.

Além disso, eles rejeitaram qualquer tentativa de empréstimo do governo, defendendo a unidade da classe trabalhadora, bem como uma ampla frente social para derrotar as “políticas de saque e fome” do governo de Abdo Benítez. Os cartazes presentes eram contra todo o governo, contra o presidente e seu irmão, também contra o vice-presidente Hugo Velázquez, o ministro do Interior Euclides Acevedo, o ministro da Saúde, Julio Mazzoleni, e o procurador-geral da Nação. Estado, Sandra Quiñónez.

O tal plano de reativação econômica do governo de Abdo Benítez, do conservador Partido Colorado, que segundo esses grupos causará uma dívida incalculável e elevando a dívida pública para 25% ou 27% do Produto Interno Bruto (PIB).

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas