Futebol
Neymar, de vítima de racismo à racista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Neymar Jr. | Foto: Reprodução

Neymar Jr., o melhor jogador de futebol da atualidade, do mundo, está no centro de uma polêmica racial, na qual, de vítima de racismo, passou a racista, em questão de dias. 

É uma operação relativamente comum, por exemplo, para o negro que foi em uma delegacia tentar registrar um crime que ele foi alvo. Primeiro vão verificar se ele mesmo não é o criminoso. Daí também que muitos negros já não contam com a polícia para nada.

Um zagueiro, simpático à extrema-direita espanhola, chamou Neymar de macaco (“mono”, na linguagem espanhola), em uma partida disputada dias atrás. Neymar revidou, dando um leve soco no rapaz, e pegou dois jogos de gancho.

Em seguida, se esforçaram para encontrar um vídeo em que Neymar teria sido homofóbico. Agora, ontem mesmo, estão dizendo que, na verdade, Neymar é o racista, ao supostamente ter ofendido um japonês por sua nacionalidade. Amanhã, haverá novo crime pesando sobre Neymar, e sabe Deus do que mais ele pode ser acusado.

Uma pessoa comum ficar na defensiva, não conseguir defender Neymar nesta situação, é até compreensível, afinal, a imprensa impõe, ela mesma, a versão que deve ser adotada diante do caso. O cidadão é massacrado pelo monopólio da comunicação.

O que chama atenção é a esquerda não falar absolutamente nada. Observar o caso e, quando fala à respeito, ataca Neymar, dizendo que ele não pode ser defendido, que tem dinheiro, que se vire. Uma posição covarde, sem princípios. O chamado identitarismo, que defenderia o negro acima de tudo, que enche o saco com um monte de códigos de conduta, virou às costas para Neymar. 

A defesa desse jogador, neste momento, significa a defesa do futebol brasileiro, deste patrimônio do povo negro brasileiro, do povo trabalhador, que é o futebol tal como o conhecemos na atualidade. Não é a defesa do jogador, individualmente, mas do que ele representa para o povo e seu patrimônio, que, não por acaso, está sendo atacado duramente pelos golpistas. Não importa, nesse sentido, a opinião dele, do Neymar.

Para a esquerda, Neymar era a pior coisa que existia. E, por isso, ele pode sofrer racismo, azar o dele. Ou seja, a luta contra o racismo, para essa esquerda, não se trata de um princípio, de um programa político, mas de uma defesa que só serve para os seus, não é uma política de luta coletiva, mas uma demagogia rasteira.

A esquerda, para variar, faz um exercício tremendo para encontrar, mais uma vez, uma justificativa para não fazer nada.

De toda sorte, até aqui, nenhuma novidade. O tratamento dispensado ao jogador Neymar, é o mesmo que qualquer outro negro usualmente recebe.

Outros tantos se queixam que Neymar deveria ser militante, combativo contra o racismo etc., quando, na verdade, quem precisa ser militante combativo é justamente a esquerda que o acusa.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas